Siga o Blog, nas redes sociais

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Foto da constatação da existência física de polvos gigantes, 1896.



A descoberta foi rejeitada à época e ficara esquecida por mais de meio século até que, em 1950, os restos do animal foram reencontrados e iniciou-se o processo de análise do animal.

O achado ocorreu em 30 de novembro de 1896, quando dois meninos brincavam perto de St. Augustine, na Flórida, e acabaram encontrando uma imensa carcaça. O doutor DeWitt Webb (que aparece ao lado da carcaça na foto) examinou o corpo em estado avançado de decomposição e concluiu se tratar de um polvo gigante. Só a parte que sobrara media 7 metros de comprimento e 5,5 de largura; alguns tentáculos encontrados mediam 10 metros de comprimento.

O animal ficou conhecido como "Octopus giganteus" e devia medir entre 23 e 30 metros de comprimento. Contudo, algum tempo depois da descoberta, um especialista em cefalópodes alegou que os restos eram de uma baleia, não de um polvo ou lula gigante. A história ficou, então, esquecida até a década de 50, quando o biólogo marinho Forrest Glen Wood descobriu amostras do animal no Smithsonian Institution de Washington.

Após as análises sob luz polarizada, descobriu-se que o padrão da amostra se assemelhava em muito com o de polvos conhecidos e não de baleias, como fora dito anteriormente.

Dessa forma, esse seria um dos únicos registros fotográficos existentes de um polvo gigante.