Siga o Blog, nas redes sociais

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Northern Royal Flycatchero

Northern Royal Flycatchero (Nychorhynchus coronatus mexicanus), encontrado no México.

Espécie de borboleta



Conhecida internacionalmente como (Chorinea sylphina), esta espécie de borboleta pode ser encontrada no Equador.

A ovelha "Shrek"



A ovelha "Shrek" ficou conhecida na Nova Zelândia após ser encontrada depois 7 anos desaparecida. O fato que fez Shrek se destacar quando foi encontrada, em 2004, é que ela acumulava cerca de 30 kg de lã em seu corpo. Shrek morreu em 2011 quando fez 16 anos de idade.

Uma lesma rosa fluorescente



Uma lesma rosa fluorescente foi encontrada no Monte Kaputar, no estado de Nova Gales do Sul, na Austrália. Durante o dia, ela se esconde sob as folhas, mas, em noites chuvosas, moradores relataram ter visto centenas dessas criaturas saindo para se alimentar.As lesmas rosa alcançam até 20 centímetros de comprimento. Segundo especialistas, a espécie Triboniophorus aff. graeffei é carnívora e come outras lesmas vegetarianas, além de musgo e fungos das árvores.

A águia-marinha-de-steller



A águia-marinha-de-steller é uma grande ave de rapina da família Accipitridae. É a maior ave no gênero Haliaeetus e uma das maiores aves de rapina do mundo.

A coruja-das-neves


A coruja-das-neves é uma grande espécie de coruja da família Strigidae. Na América do Norte é conhecida também como coruja-do-ártico, coruja-branca-grande e coruja-das-neves-islandesa.

Bebe Girafa

Criatividade

Velhos Tempos

Lápis

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Gavião-pombo-pequeno: predador dos céus da Mata Atlântica

Quanto mais respeito aos professores

Para quem gosta de Capoeira

Brincadeiras a parte

Uma cena do Filme Um amor para recordar, excelente filme e ótimo livro

Isso que é amizade

As mãos que ajudam são mais sagradas que os lábios que rezam

Poesia

Vou com você até o fim

Seja forte

quarta-feira, 29 de maio de 2013

A pessoa que não sabe amar novamente


Alguns anos amava uma garota,
Mas ela nem olhava para mim.
Fiquei dois anos nesta "paixão",
Depois nunca consegui amar novamente
Não é que esteva doente
É que não consigo achar esta estrela perdida.
Hoje faz dois anos que ando com o coração sozinho,
Até que é legal não posso falar que é ruim.
Mas não consigo nem ter um devaneio
As vezes penso que sou sem coração,
Mas uma coisa posso dizer não sou
Apaixonado, mas minha paixão pela
Vida é o que me faz estar feliz a cada dia.

Escrito por Nan Ozorio Alex

O Poeta que nunca amou

Sempre escrevi poemas
Mas nunca senti nada
Romântico, muitos falam
Que amor é perda de tempo
Outros falam que é ótimo
Sentir o amor, eu nunca senti
Só cheguei a gostar, mas nada de amar.
É complicado poder recitar algo
Que nunca senti e aparentar que já amei,
Não é que esteja falando bobagem
Mas nunca consegui amar ninguém.
Só apenas um poeta que escreve por diversão
Mas por que nunca senti algo assim tão belo,
Romântico, gosto.
Ando atrás de achar uma resposta, mas nada
Consigo encontrar
Mas se sou o Poeta da Madrugada
Algo bonito consigo te falar
Mesmo não amando
Ainda sou um ser humano.

Escrito por Alex Lopes Ozorio

Moab, Utah - EUA

Ghent, uma cidade medieval na Bélgica

Paisagem digna de uma pintura de Van Gogh! Em algum lugar no sul da Espanha.

Ilha muito bonita

Entre os erros descobri acertos,

entre o desânimo encontrei forças,
entre destruição vi paredes aproveitáveis,
entre ruas perdidas, encontrei saídas,
entre a miséria eu vi esperança,
e no meio do caos, uma direção.
Quando o céu escureceu e a noite caiu,
a solidão me fez companhia,
e no meio do silêncio da noite perdida,
eu conversei com o vazio, e chorei,
e entre as lágrimas eu vi um riso,
e entre rir ou chorar,
preferi a gargalhada seca de quem espera,
e agora faço o meu caminho sem medo.
Entre o meu sonho e a realização: um fio,
uma tênue linha que nos separa,
um esforço a mais que eu tenho que realizar,
e entre o ficar e o ir, eu vou,
entre o amar ou o ficar, eu amo,
entre o mar e rio, eu navego,
entre o doce e o amargo, eu me lambuzo.
E se tenho tanta confiança,
é porque no fundo no fundo,
vive em mim uma criança,
que neste momento sorri, e diz sim para vida,
porque sabe perdoar e recomeçar, sempre...

_Paulo Roberto Gaefke_

Será que as pessoas que leem são mais legais?


Segundo uma pesquisa da Universidade de Washington e Lee, nos EUA, sim! O teste foi bem simples: um grupo de pessoas recebeu histórias bem curtinhas para ler. Depois, algumas canetas foram derrubadas 'acidentalmente' pelos pesquisadores.

Os resultados foram bem bacanas: foi constatado que, quanto mais envolvidas com a história as pessoas ficavam, maiores as chances de levantar para recolher as canetas. O motivo é que, quando lemos um livro, criamos empatia pelos personagens e isso se reflete no jeito com que tratamos os outros!

E você, anda lendo bastante? o/

[Imagem via Ronn ashore, no Flickr / fonte: Revista Superinteressante]

A comovente história do Start FC e de seus mártires do "jogo da morte" contra a ocupação nazista.



Em 1941, o exército nazista invade a Ucrânia e em pouco tempo toma a capital Kiev. Internamente, alguns civis tentavam organizar a retomada e enfraquecimento da ocupação alemã, entre eles estava o goleiro do Dinamo de Kiev, Nicolai Trushevich. Sem grande sucesso, em meados de setembro, Trushevich e alguns de seus ex companheiros de time se encontravam famintos e desnutridos. Foi neste momento que o arqueiro foi reconhecido por um padeiro fanático por futebol, o padeiro lhe ofereceu o cargo de servente e um abrigo – este emprego impediu o goleiro de ser mandado para a Alemanha, onde realizaria trabalhos forçados. Logo outros jogadores do Dínamo também foram chamados para trabalhar no local.

Em 1942, como estratégia para ganhar apoio dos ucranianos, os nazistas tentaram normalizar dia após dia a rotina das cidades ocupadas. Para tanto, uma das estratégias que mais angariou público e apoio, foi uma série de jogos amistosos entre times formados por soldados húngaros, romenos, nazistas, e, por fim, algumas equipes ucranianas. Entre os times locais, estaria uma equipe formada por ex jogadores do Dínamo de Kiev, contando com Trushevich e seus companheiros que foram ajudados pelo padeiro; conseguiram montar uma equipe e realizar treinamentos no terreno dos fundos do estabelecimento. O time foi batizado de “Start FC”.

Em seus primeiros jogos, em meados de junho de 1942 os resultados foram animadores, goleadas de 7x2, 9x1, 6x0. Logo os governantes nazistas entenderam que aqueles resultados poderiam criar um problema novo para o regime. Ao final de 1942, após diversas partidas, o Start FC terminou a temporada de forma invicta, e como suspeitavam, as vitórias daquele time acabou se transformando no símbolo do nacionalismo ucraniano, fomentando manifestações nas ruas e elogios da imprensa local.

Para contrapô-los na mesma moeda, os nazistas criaram um time que simbolizaria o nacionalismo alemão, e em consequência, a superioridade racial e técnica dos alemães. O time foi formado por 6 dos melhores jogadores do exército alemão. No confronto entre as equipes, mesmo com uma arbitragem totalmente parcial, o time local venceu por 5x1. No dia seguinte, entre ucranianos orgulhosos e eufóricos, alguns avisos foram colados pela cidade marcando uma “vingança” para o domingo próximo - podemos ver a imagem dos panfletos nesse link (http://en.wikipedia.org/wiki/File:Death_match_bill.jpg).

Chegada a data marcada para a revanche, os times ainda se encontravam no vestiário quando um oficial da SS entrou para falar com os ucranianos. Este recomendou que “não seria interessante que o Start vencesse a partida”, além disso, “esperamos que façam a saudação nazista antes do jogo”.
Equipes perfiladas em campo, o time alemão faz a saudação nazista para os governantes presentes, no entanto, ao contrário do que foi pedido e de forma corajosa, nenhum jogador do Start faz o gesto, causando aplausos eufóricos da torcida local.

Começada a partida, novamente a violência dos alemães ficava evidente, mas também o seu superior vigor físico, e aos 15min abria-se o placar em favor dos nazistas. Em jogo marcado pela virilidade/jogo de força dos nazistas, e técnica/inteligência dos ucranianos, o resultado final foi 5x3 para os locais. Na saída do estádio foi possível ver inúmeras comemorações pelas ruas de Kiev, um jornalista local chegou a afirmar que “os ucranianos ganharam sua maior felicidade naquele verão”.

Porém, semanas depois, alguns jogadores foram chamados na Gestapo. Lá, foram torturados e agredidos durante dias e depois enviados ao temido campo de concentração de Syrets. Em uma noite de frio, foi realizado um sorteio macabro. Soldados nazistas afirmaram que era preciso diminuir a lotação do local, e de forma intercalada alguns seriam escolhidos para viver ou morrer. Entre os mortos estavam, Klimenko, Trushevi e Kuzmenko, os três líderes do Start FC.

Demonstrando coragem, força e patriotismo, esses jogadores enfrentaram a força desproporcional da ocupação nazista através do poder de mobilização e força do futebol. Quando tudo parecia perdido, eles jogaram e mostraram aos seus inimigos que o jogo só acaba quando o juiz apita. Até hoje estes atletas são lembrados pelo Dínamo de Kiev. Na frente de seu estádio existe um monumento erguido em 1971 em homenagem aos atletas que morreram defendendo, antes de tudo, a liberdade e o esporte.

Texto de Rafael Gota
Administração Imagens Históricas

Foto: “Futebol & guerra: resistência, triunfo e tragédia do Dínamo na Kiev ocupada pelos nazistas”

Para saber mais sobre a história, recomendo este excelente documentário da ESPN
http://www.youtube.com/watch?v=e8r3sUWp-P8

Bela imagem

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Preguiça

Leia livros

Gostaria

Praia não se limpa sozinha

Auto- Estima

Sistema

Pensei diferente

O grande vilão é o Homem

27 de Maio dia da MATA ATLÂNTICA

Um panda ajudando o outro

sábado, 25 de maio de 2013

Há uma Primavera em cada vida:


É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!


Florbela Espanca

Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!


Florbela Espanca

Faça algo novo hoje

É

Criatividade

Televisão

Em memória as Arvores

Poluição

Destruição ambiental e seus lados

É energia

Bela imagem, vocês concordam ?

sexta-feira, 24 de maio de 2013

ESPERANÇA



Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
Atira-se
E
— ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança...
E em torno dela indagará o povo:
— Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
— O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...
Mario Quintana

Poema da gare de Astapovo



O velho Leon Tolstoi fugiu de casa aos oitenta anos
E foi morrer na gare de Astapovo!
Com certeza sentou-se a um velho banco,
Um desses velhos bancos lustrosos pelo uso
Que existem em todas as estaçõezinhas pobres do mundo
Contra uma parede nua...
Sentou-se ...e sorriu amargamente
Pensando que
Em toda a sua vida
Apenas restava de seu a Gloria,
Esse irrisório chocalho cheio de guizos e fitinhas
Coloridas
Nas mãos esclerosadas de um caduco!
E entao a Morte,
Ao vê-lo tao sozinho aquela hora
Na estação deserta,
Julgou que ele estivesse ali a sua espera,
Quando apenas sentara para descansar um pouco!
A morte chegou na sua antiga locomotiva
(Ela sempre chega pontualmente na hora incerta...)
Mas talvez não pensou em nada disso, o grande Velho,
E quem sabe se ate não morreu feliz: ele fugiu...
Ele fugiu de casa...
Ele fugiu de casa aos oitenta anos de idade...
Não são todos que realizam os velhos sonhos da infância!

Mario Quintana

Poema Transitório




(...) é preciso partir
é preciso chegar
é preciso partir é preciso chegar... Ah, como esta vida é urgente!

... no entanto
eu gostava mesmo era de partir...
e - até hoje - quando acaso embarco
para alguma parte
acomodo-me no meu lugar
fecho os olhos e sonho:
viajar, viajar
mas para parte nenhuma...
viajar indefinidamente...
como uma nave espacial perdida entre as estrelas.

Mario Quintana

OS DEGRAUS



Não desças os degraus do sonho
Para não despertar os monstros.
Não subas aos sótãos - onde
Os deuses, por trás das suas máscaras,
Ocultam o próprio enigma.
Não desças, não subas, fica.
O mistério está é na tua vida!
E é um sonho louco este nosso mundo...

Mario Quintana

Tem imagens que diz, mas que palavras

Poemas



Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto;
alimentam-se um instante em cada
par de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti...

Mario Quintana

Quando



Quando eu for, um dia desses,
Poeira ou folha levada
No vento da madrugada,
Serei um pouco do nada
Invisível, delicioso

Que faz com que o teu ar
Pareça mais um olhar,
Suave mistério amoroso,
Cidade de meu andar
(Deste já tão longo andar!)

E talvez de meu repouso...

Mario Quintana

Canção do dia de sempre



Tão bom viver dia a dia...
A vida assim, jamais cansa...

Viver tão só de momentos
Como estas nuvens no céu...

E só ganhar, toda a vida,
Inexperiência... esperança...

E a rosa louca dos ventos
Presa à copa do chapéu.

Nunca dês um nome a um rio:
Sempre é outro rio a passar.

Nada jamais continua,
Tudo vai recomeçar!

E sem nenhuma lembrança
Das outras vezes perdidas,
Atiro a rosa do sonho
Nas tuas mãos distraídas...

Mario Quintana

Quem Sabe um Dia




Quem sabe um dia
Quem sabe um seremos
Quem sabe um viveremos
Quem sabe um morreremos!

Quem é que
Quem é macho
Quem é fêmea
Quem é humano, apenas!

Sabe amar
Sabe de mim e de si
Sabe de nós
Sabe ser um!

Um dia
Um mês
Um ano
Um(a) vida!

Sentir primeiro, pensar depois
Perdoar primeiro, julgar depois
Amar primeiro, educar depois
Esquecer primeiro, aprender depois

Libertar primeiro, ensinar depois
Alimentar primeiro, cantar depois

Possuir primeiro, contemplar depois
Agir primeiro, julgar depois

Navegar primeiro, aportar depois
Viver primeiro, morrer depois.

Mario Quintana

BILHETE



Se tu me amas, ama-me baixinho
Não o grites de cima dos telhados
Deixa em paz os passarinhos
Deixa em paz a mim!
Se me queres,
enfim,
tem de ser bem devagarinho, Amada,
que a vida é breve, e o amor mais breve ainda...

Mario Quintana