Siga o Blog, nas redes sociais

sábado, 31 de março de 2012

Tom Jobim

[creditofoto] 

Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim - ou Tom Jobim -, compositor, cantor, violonista e pianista, um dos maiores expoentes da música brasileira, foi também um dos principais responsáveis pela internacionalização da bossa nova, estilo e movimento musical com influências jazzísticas, iniciado por volta de 1958 no Rio de Janeiro, que introduziu invenções melódicas e harmônicas no samba.

Considerado um dos grandes compositores de música popular do século 20, as raízes de Tom Jobim encontram-se no jazz, em Gerry Mulligan, Chet Baker, Barney Kessel e outros músicos da década de 1950. Ao mesmo tempo, Jobim sofreu influências da música erudita, principalmente do compositor francês Claude Debussy, e dos ritmos do samba.

A certa maneira simples e melódica de tocar o piano, Jobim acrescentava sempre um toque de invenção, uma sonoridade inesperada, enquanto sua voz, ligeiramente rouca, salientava os aspectos emocionais das letras.

Depois de ter pensado em seguir a carreira de arquiteto, Jobim acabou se dedicando exclusivamente à música: aos vinte anos já se destacava em casas noturnas e estúdios de gravação. Se primeiro disco foi gravado em 1954, mas o sucesso veio em 1956, quando, junto com o poeta Vinicius de Moraes, elaborou a música da peça teatral "Orfeu da Conceição" (no cinema, "Orfeu negro").

A bossa nova surgiria efetivamente em 1958, quando Jobim produz o disco "Chega de saudade", no qual João Gilberto toca e canta músicas do próprio Jobim.

Fama internacional

A fama de Tom Jobim se tornaria internacional em 1962, quando o saxofonista Stan Getz e o guitarrista Charlie Byrd gravaram o LP "Jazz Samba", que permaneceria diversas semanas na lista de mais vendidos. Numa das faixas, a versão instrumental de "Desafinado", que ganharia vários intérpretes nos EUA, entre eles: Lalo Schifrin, Quincy Jones, Coleman Hawkins e Dizzy Gillespie. Um ano depois, Jobim e outros músicos brasileiros se apresentaram no Carnegie Hall, onde cantaram "Garota de Ipanema".

Durante as décadas de 1960 e 1970, Jobim gravou discos para os principais estúdios norte-americanos. Quando o êxito da música brasileira nos EUA começou a dar sinais de esgotamento, ele se concentrou, então, na televisão e no cinema brasileiros.

Em 1985, Jobim voltou ao Carnegie Hall, onde cantou diante de três mil pessoas, abrindo uma longa temporada de shows no Brasil e na Europa. Temporada, aliás, que se prolongaria, no ano seguinte, com uma apresentação no Avery Fisher Hall, de Nova York.

No ano de 1994, ele voltaria duas noites seguidas, em abril, ao Carnegie Hall: na primeira, para comemorar os 50 anos da gravadora Verve, na companhia de Pat Metheny, Joe Henderson, Charles Haden e Al Foster; na segunda, para promover a Rainforest Foundation, ao lado de Sting, Elton John e Luciano Pavarotti.

Em 15 de setembro, viajou até Nova York para submeter-se a uma angioplastia. Num dos vários exames realizados, os médicos detectaram um tumor maligno em sua bexiga - e a cirurgia foi marcada para 6 de dezembro, no Mount Sinai Medical Center. No dia 8, enquanto convalescia da cirurgia, Tom Jobim teve uma parada cardíaca, às 8h. E uma segunda parada, duas horas depois, que foi fatal.

Seu corpo desembarcou no Rio de Janeiro no dia 9 e foi velado no Jardim Botânico, dali seguindo para o Cemitério de São João Batista, após desfilar em cortejo pela cidade.

Folha de S. Paulo; Site oficial de Tom Jobim

Manuel Bandeira

Poética

Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente
protocolo e manifestações de apreço ao Sr. Diretor.
Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o
cunho vernáculo de um vocábulo.
Abaixo os puristas

Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de excepção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis

Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja fora
de si mesmo
De resto não é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário
do amante exemplar com cem modelos de cartas
e as diferentes maneiras de agradar às mulheres, etc.

Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbados
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare

- Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.


Desencanto

Eu faço versos como quem chora
De desalento... de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

- Eu faço versos como quem morre.


Arte de Amar

Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus — ou fora do mundo.
As almas são incomunicáveis.

Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.

Porque os corpos se entendem, mas as almas não.


Quando estás vestidas,
Ninguém imagina
Os mundos que escondes
Sob as tuas roupas.

(Assim, quando é dia,
Não temos noção
Dos astros que luzem
No profundo céu.

Mas a noite é nua,
E, nua na noite,
Palpitam teus mundos
E os mundos da noite


O último poema

Assim eu quereria o meu último poema.
Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas
Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume
A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos
A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.


A morte absoluta

Morrer.
Morrer de corpo e de alma.
Completamente.

Morrer sem deixar o triste despojo da carne,
A exangue máscara de cera,
Cercada de flores,
Que apodrecerão – felizes! – num dia,
Banhada de lágrimas
Nascidas menos da saudade do que do espanto da morte.

Morrer sem deixar porventura uma alma errante...
A caminho do céu?
Mas que céu pode satisfazer teu sonho de céu?

Morrer sem deixar um sulco, um risco, uma sombra,
A lembrança de uma sombra
Em nenhum coração, em nenhum pensamento,
Em nenhuma epiderme.

Morrer tão completamente
Que um dia ao lerem o teu nome num papel
Perguntem: "Quem foi?..."

Morrer mais completamente ainda,
– Sem deixar sequer esse nome.

Algumas Frases de Fernando Pessoa



Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida - umas porque usam de fórmulas visíveis e portanto vitais, outras porque vivem da mesma vida humana. Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. Um romance é uma história do que nunca foi e um drama é um romance dado sem narrativa. Um poema é a expressão de ideias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso.
Fernando Pessoa

O verdadeiro sábio é aquele que assim se dispõe que os acontecimentos exteriores o alterem minimamente. Para isso precisa couraçar-se cercando-se de realidades mais próximas de si do que os fatos, e através das quais os fatos, alterados para de acordo com elas, lhe chegam.
Fernando Pessoa

Conformar-se é submeter-se e vencer é conformar-se, ser vencido. Por isso toda a vitória é uma grosseria. Os vencedores perdem sempre todas as qualidades de desalento com o presente que os levaram à luta que lhes deu a vitória. Ficam satisfeitos, e satisfeito só pode estar aquele que se conforma, que não tem a mentalidade do vencedor. Vence só quem nunca consegue.
Fernando Pessoa

O amor romântico é como um traje, que, como não é eterno, dura tanto quanto dura; e, em breve, sob a veste do ideal que formámos, que se esfacela, surge o corpo real da pessoa humana, em que o vestimos. O amor romântico, portanto, é um caminho de desilusão. Só o não é quando a desilusão, aceite desde o príncipio, decide variar de ideal constantemente, tecer constantemente, nas oficinas da alma, novos trajes, com que constantemente se renove o aspecto da criatura, por eles vestida.
Fernando Pessoa
Amo como ama o amor. Não conheço nenhuma outra razão para amar senão amar. Que queres que te diga, além de que te amo, se o que quero dizer-te é que te amo?

China prende seis suspeitos e fecha 16 sites após boatos de golpe



A polícia chinesa prendeu seis pessoas e fechou 16 páginas da internet em meio à disseminação de rumores pela rede de que veículos militares estariam nas ruas de Pequim, segundo anunciaram fontes oficiais neste sábado.

As mensagens que sugeriam um possível golpe militar em curso, sem nenhuma evidência, repercutiram na última semana em alguns meios de comunicação internacionais, num momento de tensão por conta da recente demissão do prefeito da cidade de Chongqing, Bo Xilai, um dos políticos mais populares do país. Antes das prisões e dos fechamentos de sites anunciados neste sábado, os censores chineses já vinham bloqueando as buscas por termos ligados a Bo.

O departamento do governo que controla a internet no país afirmou que os rumores sobre golpe eram "uma influência muito negativa sobre o público".

Dois populares serviços de microblogs no país - Sina Weibo e Tencent Weibo, semelhantes ao Twitter - interromperam temporariamente os comentários sobre posts de outros usuários. Segundo eles, os comentários ficarão desativados entre este sábado e a terça-feira para que eles possam "agir para interromper a disseminação de boatos".

Um porta-voz do departamento de internet afirmou à agência Xinhua que os dois serviços foram "criticados e punidos de acordo". Ele afirmou ainda que várias outras pessoas foram "advertidas ou educadas".

A ação das autoridades chinesas contra as supostas fontes dos rumores de golpe mostram uma forte preocupação das autoridades chinesas em manter a estabilidade em um momento de transição política e de desaceleração econômica no país.

Em um editorial, o Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista, afirmou que "os boatos na internet e as mentiras embaladas como 'fatos' transformam as conjecturas em 'realidades', alimentam a confusão online e perturbam as mentes das pessoas". "Se forem deixados fora de controle, eles perturbarão seriamente a ordem social, afetarão a estabilidade social e farão mal à integridade social", complementou o jornal.

O país se prepara para iniciar o processo de mudança na liderança do país, num ritual que ocorre apenas uma vez a cada dez anos. A demissão de Bo Xilai, considerado até então um dos favoritos para promoção no politburo do Partido Comunista, sugere uma feroz batalha de bastidores pelo controle do partido.

Bo foi retirado de seu cargo após o chefe da polícia da cidade, que tem cerca de 30 milhões de habitantes, ter buscado refúgio no consulado americano, supostamente após ter iniciado uma investigação sobre familiares do prefeito. Desde então, uma série de acusações vêm sendo divulgadas contra Bo.

No início da semana divulgou-se a informação de que o governo do Reino Unido teria pedido às autoridades chinesas que reabrissem as investigações sobre a morte do empresário britânico Neil Heywood, supostamente amigo próximo do ex-prefeito.

Com BBC

Cuba declara Sexta-Feira Santa feriado

Cuba honrou um pedido do papa Bento XVI e declarou a Sexta-Feira Santa da próxima semana um feriado pela primeira vez desde a revolução de 1959, mas uma decisão sobre se a medida será permanente terá que esperar. O governo cubano informou em um comunicado neste sábado que a decisão foi tomada em razão do sucesso da "visita transcendental" do pontífice ao país, que terminou na quarta-feira. O Conselho de Ministros, órgão supremo de governança, decidirá mais tarde se tornará o feriado permanente.

O apelo de Bento XVI lembrou o feito pelo seu antecessor, João Paulo II, em 1998, para que o Natal fosse em restituído como feriado. Os feriados religiosos foram abolidos na década de 60, depois que os irmãos Fidel e Raul Castro terem chegaram ao poder, dando início a um governo marxista.

A Sexta-Feira Santa é um dia em que os católicos comemoram a morte de Cristo, mas não é feriado nos Estados Unidos, na maioria da Europa e, até mesmo, no México, o país de idioma espanhol mais católico do mundo.

Cuba removeu as referência ao ateísmo da constituição nos anos 90, aquecendo as relações com a Igreja. Ainda assim, menos de 10% da população cubana pratica o catolicismo. O papa Bento XVI foi recebido por multidões, mas não pela esmagadora maioria, durante a visita de três dias ao país.

Os cubanos disseram estar emocionados e ligeiramente incrédulos sobre o dia de folga. "Eu estou feliz por não ter que trabalhar, mas eu realmente não entendo nada disso", disse Roberto Blanco, 38 anos. "Primeiro nos dizem que precisamos trabalhar duro para sair da crise econômica, e agora nos dão um dia de folha. O papa vem e não trabalhamos? Eu não entendo isso."

Mirta Salgado, 51 anos, reconheceu não ser muito religiosa e disse: "As coisas que acontecem no meu país são incríveis. Depois de 50 anos nos dizendo que a igreja é má, agora eles afirmam que é boa e nos dão a Sexta-feira Santa." As informações são da Associated Press.

Hillary: cooperação do Golfo Pérsico para conter Irã

 

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, afirmou neste sábado que os Estados Unidos buscam melhorar as estratégias em segurança marítima e defesa de mísseis com os países do Golfo Pérsico, a fim de conter a ameaça do Irã.

Em uma conferência na Arábia Saudita, ela informou que os EUA e os governos da região compartilham preocupações sobre a atividade nuclear e a interferência nos assuntos dos países árabes por parte do Irã. A secretária declarou ainda que a parceria tem um "enorme potencial" de progredir no que se refere aos interesses comuns.

Hillary acrescentou que o compromisso dos EUA com o Golfo Pérsico é "sólido e inacabável." Ela se reuniu ontem por cerca de duas horas com o rei saudita Abdullah para discutir questões que variam desde a estabilidade do mercado de petróleo até a pressão para acabar com o regime de violência de Bashar Assad.

No domingo, a secretária de Estado norte-americana participará de uma conferência do grupo dos 60 países Amigos do Povo Sírio, incluindo o Brasil, onde discutirá a situação da oposição síria. As informações são da Associated Press.

Cientistas dão sinal verde à divulgação de estudo sobre a gripe aviária

Gripe aviária India HGAFP


Um painel não governamental de especialistas nos Estados Unidos deu sinal verde, nesta sexta-feira (30), à publicação completa de dois estudos sobre a gripe aviária mutante, revertendo a decisão anterior de impedir a divulgação de detalhes importantes das pesquisas.

Em comunicado, o Conselho Nacional Científico de Biossegurança (NSABB) disse que a publicação do estudo não representa risco.

- Os dados descritos nos manuscritos revistos não parecem fornecer informação que permita de imediato o uso indevido dessa investigação, de forma que possa pôr em risco a saúde pública ou a segurança nacional.

Especialistas dos Estados Unidos se opuseram anteriormente à publicação desses estudos - que mostravam como um vírus da gripe H5N1 gerado em laboratório poderia ser transmitido facilmente através do ar entre os furões - por temor de que a informação terminasse em mãos equivocadas e desencadeasse uma pandemia mortal de gripe.

Depois de uma reunião para rever os últimos detalhes, os especialistas consideraram que "uma nova evidência que melhore a compreensão das mutações específicas pode ajudar a vigilância internacional, a saúde pública e a segurança".

- A cooperação global, importante para os esforços de preparação ante a influenza pandêmica, baseia-se no livre intercâmbio de informação e é um princípio fundamental na avaliação destes manuscritos.


O NSABB foi objeto de críticas depois de resolver por unanimidade, em dezembro do ano passado, que dois estudos financiados pelos Estados Unidos, um de uma equipe de Wisconsin e outro dirigido pelo cientista holandês Ron Fouchier, não deveriam ser publicados, a não ser que fossem retirado sdetalhes que prevenissem a reprodução do vírus.

A gripe aviária é responsável pela morte de mais da metade das pessoas que infecta, o que é considerado muito mais letal que as cepas típicas do vírus.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, houve 573 casos de gripe aviária H5N1 em humanos em 15 países desde 2003, com 58,6% de óbitos.

Fifa obriga clubes a liberarem jogadores para Olimpíadas

 

A Fifa decidiu que os clubes serão obrigados a liberarem os jogadores que forem convocados para os Jogos Olímpicos de Londres, ainda que o torneio de futebol masculino não seja considerado uma ‘data Fifa’ (período do calendário pré-determinado pela entidade voltado exclusivamente para as seleções).

Nas últimas edições das Olimpíadas houve desacordo entre clubes e confederações, já que muitas equipes se mostraram contrários a liberarem seus atletas para defender as seleções nos torneios de futebol dos Jogos Olímpicos.

Com a decisão da Fifa, os clubes agora serão obrigados a liberarem seus jogadores, sem qualquer tipo de reclamação ou contestação. Os clubes brasileiros já preveem desfalques significativos durante um longo período em meio ao Campeonato Brasileiro.

Ainda não existe um cronograma definido para a preparação e disputa dos Jogos Olímpicos, mas estima-se que as Olimpíadas poderão fazer com que os jogadores desfalquem suas equipes por até 12 rodadas. Casos de times como Santos – com Neymar e Ganso – e São Paulo – com o meia Lucas – deverão ser alguns dos prejudicados com o torneio.

Machado de Assis




(...) Assim são as páginas da vida,
como dizia meu filho quando fazia versos,
e acrescentava que as páginas vão 
 
passando umas sobre as outras,
esquecidas apenas lidas.

"Suje-se Gordo!"




Joaquim Maria Machado de Assis, cronista, contista, dramaturgo, jornalista, poeta, novelista, romancista, crítico e ensaísta, nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 21 de junho de 1839. Filho de um operário mestiço de negro e português, Francisco José de Assis, e de D. Maria Leopoldina Machado de Assis, aquele que viria a tornar-se o maior escritor do país e um mestre da língua, perde a mãe muito cedo e é criado pela madrasta, Maria Inês, também mulata, que se dedica ao menino e o matricula na escola pública, única que freqüentará o autodidata Machado de Assis.

De saúde frágil, epilético, gago, sabe-se pouco de sua infância e início da juventude. Criado no morro do Livramento, consta que ajudava a missa na igreja da Lampadosa. Com a morte do pai, em 1851, Maria Inês, à época morando em São Cristóvão, emprega-se como doceira num colégio do bairro, e Machadinho, como era chamado, torna-se vendedor de doces. No colégio tem contato com professores e alunos e é até provável que assistisse às aulas nas ocasiões em que não estava trabalhando.

Mesmo sem ter acesso a cursos regulares, empenhou-se em aprender. Consta que, em São Cristóvão, conheceu uma senhora francesa, proprietária de uma padaria, cujo forneiro lhe deu as primeiras lições de Francês. Contava, também, com a proteção da madrinha D. Maria José de Mendonça Barroso, viúva do Brigadeiro e Senador do Império Bento Barroso Pereira, proprietária da Quinta do Livramento, onde foram agregados seus pais.

Aos 16 anos, publica em 12-01-1855 seu primeiro trabalho literário, o poema "Ela", na revista Marmota Fluminense, de Francisco de Paula Brito. A Livraria Paula Brito acolhia novos talentos da época, tendo publicado o citado poema e feito de Machado de Assis seu colaborador efetivo.

Com 17 anos, consegue emprego como aprendiz de tipógrafo na Imprensa Nacional, e começa a escrever durante o tempo livre. Conhece o então diretor do órgão, Manuel Antônio de Almeida, autor de Memórias de um sargento de milícias, que se torna seu protetor.

Em 1858 volta à Livraria Paula Brito, como revisor e colaborador da Marmota, e ali integra-se à sociedade lítero-humorística Petalógica, fundada por Paula Brito. Lá constrói o seu círculo de amigos, do qual faziam parte Joaquim Manoel de Macedo, Manoel Antônio de Almeida, José de Alencar e Gonçalves Dias.

Começa a publicar obras românticas e, em 1859, era revisor e colaborava com o jornal Correio Mercantil. Em 1860, a convite de Quintino Bocaiúva, passa a fazer parte da redação do jornal Diário do Rio de Janeiro. Além desse, escrevia também para a revista O Espelho (como crítico teatral, inicialmente), A Semana Ilustrada(onde, além do nome, usava o pseudônimo de Dr. Semana) eJornal das Famílias.

Seu primeiro livro foi impresso em 1861, com o título Queda que as mulheres têm para os tolos, onde aparece como tradutor. No ano de 1862 era censor teatral, cargo que não rendia qualquer remuneração, mas o possibilitava a ter acesso livre aos teatros. Nessa época, passa a colaborar em O Futuro, órgão sob a direção do irmão de sua futura esposa, Faustino Xavier de Novais.

Publica seu primeiro livro de poesias em 1864, sob o título de Crisálidas.

Em 1867, é nomeado ajudante do diretor de publicação do Diário Oficial.

Agosto de 1869 marca a data da morte de seu amigo Faustino Xavier de Novais, e, menos de três meses depois, em 12 de novembro de 1869, casa-se com Carolina Augusta Xavier de Novais.

Nessa época, o escritor era um típico homem de letras brasileiro bem sucedido, confortavelmente amparado por um cargo público e por um casamento feliz que durou 35 anos. D. Carolina, mulher culta, apresenta Machado aos clássicos portugueses e a vários autores da língua inglesa.

Sua união foi feliz, mas sem filhos. A morte de sua esposa, em 1904, é uma sentida perda, tendo o marido dedicado à falecida o soneto Carolina, que a celebrizou.

Seu primeiro romance, Ressurreição, foi publicado em 1872. Com a nomeação para o cargo de primeiro oficial da Secretaria de Estado do Ministério da Agricultura, Comércio e Obras Públicas, estabiliza-se na carreira burocrática que seria o seu principal meio de subsistência durante toda sua vida.

No O Globo de então (1874), jornal de Quintino Bocaiúva, começa a publicar em folhetins o romance A mão e a luva. Escreveu crônicas, contos, poesias e romances para as revistas O Cruzeiro, A Estação e Revista Brasileira.

Sua primeira peça teatral é encenada no Imperial Teatro Dom Pedro II em junho de 1880, escrita especialmente para a comemoração do tricentenário de Camões, em festividades programadas pelo Real Gabinete Português de Leitura.

Na Gazeta de Notícias, no período de 1881 a 1897, publica aquelas que foram consideradas suas melhores crônicas.

Em 1881, com a posse como ministro interino da Agricultura, Comércio Obras Públicas do poeta Pedro Luís Pereira de Sousa, Machado assume o cargo de oficial de gabinete.

Publica, nesse ano, um livro extremamente original , pouco convencional para o estilo da época: Memórias Póstumas de Brás Cubas -- que foi considerado, juntamente com O Mulato, de Aluísio de Azevedo, o marco do realismo na literatura brasileira.

Extraordinário contista, publica Papéis Avulsos em 1882, Histórias sem data(1884), Vária Histórias (1896), Páginas Recolhidas (1889), e Relíquias da casa velha (1906).

Torna-se diretor da Diretoria do Comércio no Ministério em que servia, no ano de 1889.

Grande amigo do escritor paraense José Veríssimo, que dirigia a Revista Brasileira, em sua redação promoviam reuniões os intelectuais que se identificaram com a idéia de Lúcio de Mendonça de criar uma Academia Brasileira de Letras. Machado desde o princípio apoiou a idéia e compareceu às reuniões preparatórias e, no dia 28 de janeiro de 1897, quando se instalou a Academia, foi eleito presidente da instituição, cargo que ocupou até sua morte, ocorrida no Rio de Janeiro em 29 de setembro de 1908. Sua oração fúnebre foi proferida pelo acadêmico Rui Barbosa.

É o fundador da cadeira nº. 23, e escolheu o nome de José de Alencar, seu grande amigo, para ser seu patrono.

Por sua importância, a Academia Brasileira de Letras passou a ser chamada de Casa de Machado de Assis.

Dizem os críticos que Machado era "urbano, aristocrata, cosmopolita, reservado e cínico, ignorou questões sociais como a independência do Brasil e a abolição da escravatura. Passou ao longe do nacionalismo, tendo ambientado suas histórias sempre no Rio, como se não houvesse outro lugar. ... A galeria de tipos e personagens que criou revela o autor como um mestre da observação psicológica. ... Sua obra divide-se em duas fases, uma romântica e outra parnasiano-realista, quando desenvolveu inconfundível estilo desiludido, sarcástico e amargo. O domínio da linguagem é sutil e o estilo é preciso, reticente. O humor pessimista e a complexidade do pensamento, além da desconfiança na razão (no seu sentido cartesiano e iluminista), fazem com que se afaste de seus contemporâneos."

BIBLIOGRAFIA:

Comédia

Desencantos, 1861.
Tu, só tu, puro amor, 1881.

Poesia

Crisálidas, 1864.
Falenas, 1870.
Americanas, 1875.
Poesias completas, 1901.

Romance

Ressurreição, 1872.
A mão e a luva, 1874.
Helena, 1876.
Iaiá Garcia, 1878.
Memórias Póstumas de Brás Cubas, 1881.
Quincas Borba, 1891.
Dom Casmurro, 1899.
Esaú Jacó, 1904.
Memorial de Aires, 1908.

Conto:

Contos Fluminenses,1870.
Histórias da meia-noite, 1873.
Papéis avulsos, 1882.
Histórias sem data, 1884.
Várias histórias, 1896.
Páginas recolhidas, 1899.
Relíquias de casa velha, 1906.

Teatro

Queda que as mulheres têm para os tolos, 1861
Desencantos, 1861
Hoje avental, amanhã luva, 1861.
O caminho da porta, 1862.
O protocolo, 1862.
Quase ministro, 1863.
Os deuses de casaca, 1865.
Tu, só tu, puro amor, 1881.

Algumas obras póstumas

Crítica, 1910.
Teatro coligido, 1910.
Outras relíquias, 1921.
Correspondência, 1932.
A semana, 1914/1937.
Páginas escolhidas, 1921.
Novas relíquias, 1932.
Crônicas, 1937.
Contos Fluminenses - 2º. volume, 1937.
Crítica literária, 1937.
Crítica teatral, 1937.
Histórias românticas, 1937.
Páginas esquecidas, 1939.
Casa velha, 1944.
Diálogos e reflexões de um relojoeiro, 1956.
Crônicas de Lélio, 1958.
Conto de escola, 2002.

Antologias

Obras completas (31 volumes), 1936.
Contos e crônicas, 1958.
Contos esparsos, 1966.
Contos: Uma Antologia (02 volumes), 1998

Em 1975, a Comissão Machado de Assis, instituída pelo Ministério da Educação e Cultura, organizou e publicou as Edições críticas de obras de Machado de Assis, em 15 volumes.

Seus trabalhos são constantemente republicados, em diversos idiomas, tendo ocorrido a adaptação de alguns textos para o cinema e a televisão.

Governo da Siria garante que 'derrotou os rebeldes'



BRASÍLIA (Agência Brasil) - O regime sírio declarou hoje (31) ter derrotado os rebeldes “de uma vez por todas”, mas os combates continuam perto de Damasco e em outras cidades, de acordo com agência noticiosa francesa AFP. “A luta para derrubar o Estado na Síria acabou de uma vez por todas e começou uma nova luta, a da consolidação da estabilidade e da construção da nova Síria”, afirmou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Jihad Makdessi, citado pela Sana. a agência oficial de notícias síria.

No entanto, segundo a AFP, persistiam os combates em Homs, reduto dos rebeldes, bombardeada pelo governo sírio esta manhã. Ainda de acordo com a AFP, citando o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), foram registados violentos combates também nos arredores de Damasco e na região de Deraa, no Sul do país.

Há mais de um ano perdura um levante popular contra o regime do presidente Bashar al-Assad. Nas últimas semanas, a rebelião assumiu as proporções de uma guerra civil, com grupos de desertores do exército lançando ofensivas contra o regime. A escalada militar da revolta tem resultado em combates nos principais centros urbanos da Síria.

Makdessi garantiu que “o Exército não gosta de estar em zonas residenciais e irá abandoná-las assim que a segurança seja restabelecida”.

Segundo o OSDH, já morreram pelo menos 10 mil pessoas por causa dos conflitos desde março do ano passado. As nações Unidas (ONU) têm estimativas semelhantes sobre o número de vítimas da guerra civil na Síria.

No domingo (1°), será realizada em Istambul a segunda reunião do Grupo de Amigos da Síria, com a participação de representantes de mais de 70 países. O objetivo do encontro é reforçar a pressão sobre o regime sírio para que acabe com a violenta repressão aos insurgentes. A Rússia e a China, membros do Conselho de Segurança da ONU, recusaram o convite para participar na reunião.

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 2 milhões



O concurso 1.376 da Mega-Sena, a ser sorteado neste sábado (31), pode pagar até R$ 2 milhões a quem acertar as seis dezenas. O sorteio acontece às 20h30 no Caminhão da Sorte da Caixa, que está na cidade de Charqueadas, no Rio Grande do Sul. Para concorrer ao prêmio, o apostador tem até as 19h do próprio dia para registrar seu bilhete. As apostas custam a partir de R$ 2 e podem ser feitas em qualquer uma das 11,2 mil lotéricas espalhadas pelo Brasil.

Nesta quarta-feira, duas apostas acertaram as seis dezenas do concurso 1.375 da Mega-Sena e ganharam R$ 7.822.077,02 cada. Os números sorteados foram:

14 - 25 - 28 - 45 - 53 - 58

Conforme a Caixa, 121 apostas acertaram a Quina e ganharão R$ 16.066,97 cada. A Quadra teve 7.136 acertadores, que vão levar R$ 389,19 cada.

Cidades do mundo todo apagam as luzes para Hora do Planeta



Cidades do mundo todo apagam as luzes para Hora do Planeta

Publicidade


DE SÃO PAULO

Milhares de cidades apagam as luzes entre as 20h30 e as 21h30 (horas locais) deste sábado, em um ato simbólico idealizado pela organização ambientalista WWF (Fundo Mundial para a Natureza) para marcar a luta contra o aquecimento global.

Segundo a WWF, mais de 5.000 cidades apagarão as luzes nesta noite. No Brasil, 125 cidades devem participar --entre as quais 24 capitais.

Aly Song/Reuters

Vista de Xangai, na China, pouco antes da Hora do Planeta neste sábado


No Rio de Janeiro --cidade oficial do movimento no Brasil-- as luzes do Cristo Redentor, da orla de Copacana, dos Arcos da Lapa e de outros símbolos serão apagadas às 20h30.

Kin Cheung/Associated Press

Distrito comercial de Hong Kong é visto pouco antes das luzes se apagarem


Lançada em 2007 na Austrália, a Hora do Planeta vem ganhando mais adeptos o a cada ano. Em 2011, foram 135 países, contra 147 neste ano. Entre os países que participam pela primeira vez estão a Líbia, Argélia e Butão. Outra novidade é que neste ano o ato será registrado do espaço pelo astronauta e embaixador do WWF, André Kuipers.

Entre os monumentos que terão suas luzes apagadas destacam-se: a Torre de Tóquio, a Grande Muralha da China, a Torre Eiffel, o Museu do Louvre, a Torre de Pisa, a cúpula da Basílica de São Pedro no Vaticano, o Palácio de Buckingham, a Tower Bridge, o Big Ben, o Cristo Redentor, a Times Square e o Empire State Building, entre outros.

Três ganhadores repartirão US$ 640 milhões de loteria dos EUA

WASHINGTON, 31 Mar 2012 (AFP) -Três pessoas ganharam o prêmio recorde de 640 milhões de dólares da loteria dos Estados Unidos, informaram neste sábado os responsáveis pelo jogo em seu site.

Os bilhetes com os números ganhadores "foram vendidos (nos estados de) Illinois, Kansas e Maryland", afirmaram os organizadores em um comunicado divulgado no site megamillions.com.

"Três bilhetes levavam os seis números do sorteio de sexta-feira, 30 de março", indicou o texto, que especifica que os ganhadores "repartirão a soma recorde extraordinária de 640 milhões de dólares".

Os números ganhadores foram 2, 4, 23, 38, 46 e a Mega Ball 23.

Nenhum dos sortudos ganhadores foi identificado, e os especialistas advertiram que pode demorar dias antes que alguém se apresente para reivindicar o prêmio, já que os ganhadores costumam primeiro esclarecer todos os assuntos legais antes de dar este passo.

"É muito importante agora para quem tiver este bilhete ganhador que o assine no verso, o coloque em um local seguro (e) entre o contato conosco para que possamos começar o processo de conceder o prêmio a esta pessoa", havia dito anteriormente à CNN o responsável da loteria de Illinois, Michael Jones.

O prêmio de sexta-feira foi o maior já colocado em jogo por uma loteria em todo o mundo, depois de 18 sorteios consecutivos sem ganhador. Na terça-feira, no último sorteio, o valor era de 363 milhões de dólares.

Os bilhetes custavam apenas um dólar, mas as chances de ganhar o gigantesco primeiro prêmio eram de uma em 176 milhões, enquanto a de vencer qualquer um dos outros prêmios milionários era de uma em 40 milhões.

Os sortudos ganhadores poderão escolher entre ficar imediatamente com uma parte do prêmio em dinheiro ou receber o total em 26 pagamentos anuais.

O recorde anterior para um prêmio de loteria nos Estados Unidos foi de 390 milhões de dólares, compartilhado por apostadores de Geórgia (sudeste) e Nova Jersey (leste) em 2007.

A possibilidade de levar o milionário prêmio desta loteria, disputado em 42 estados da União, na capital Washington e nas Ilhas Virgens, levou os americanos a fazer enormes filas na sexta-feira.

"Quem sabe? Talvez eu ganhe e volto a viver em meu país como um rei", havia afirmado à AFP Rafael Estrada, um dominicano de 43 anos casado e com três filhos, após fazer cinco apostas.

Outros expuseram sonhos mais modestos, ou nem sabem o que fariam com tanto dinheiro.

Ari Cohen, de 30 anos e que trabalha no mundo das finanças, "saldaria os empréstimos" que pediu para estudar e compraria uma "chuleta" e uma garrafa de vinho francês, antes de se sentar em seu carro para pensar o que fazer com o prêmio.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Vamos falar um pouco de "Preconceito Racial"



Falar de preconceito racial hoje esta mais comum em nossa sociedade do que se imagina.

Como estamos vendo em jornais, em noticiários na TV sempre tem um caso relativo com preconceito , que ultimamente vem aumentando nos dias de hoje.

Uma coisa que vem na cabeça de um cidadão de bem é por que estes agressores que se acham os "Bonzão" , mas que na verdade parece um pando de loucos , lunáticos e noias , fazem isto com um cidadão que só quer viver sua vida sem fazer mal para ninguém.

Um exemplo sobre estes agressores foi um caso que ocorreu em São Paulo , um morador de rua estava dormindo , der repente chegou uns jovens de classe media alta e começaram a bater no morador de rua então um cidadão de bem viu e foi proteger o mendigo os jovens agressores viram o cidadão e bateram nele e no mendigo a policia consegui prender os agressores e o mendigo e o cidadão de bem foram levados para o hospital , sendo que o cidadão de bem teve que colocar 63 pinos na cara .

Depois de recuperados o cidadão de bem deu entrevista na teve o reporte perguntou ale se ele tinha se arrependido de ter ajudado o mendigo ele respondeu " que não e que se fosse necessário iria fazer novamente ".

Os agressores em depoimento a policia falaram que acharam que ele estava morto e que bateram nele pensando que esteva morto .

O que podemos falar neste caso é que este acontecimento é que os agressores como são de classe media alta e como a família tem dinheiro e as leis brasileiras são fracas o que certamente irá acontecer é que eles irão pagar um bom advogado e irão pagar alguma coisinha que nem vale a falta de respeito com o ser humano , falta de cidadania , ética sobre o mendigo e cidadão de bem .

Podemos concluir que se os políticos não tomar nenhuma previdência sobre isto daqui um tempo as coisas só irão piorar até ter alguém que faça algo mais grave para até então alguém tomar vergonha na cara e fazer alguma coisa , pois um pais que quer ser uma grande potência mundial , precisa fazer leis mais rígidas e leis que realmente ajuda a população, por que se os nossos políticos não fazer nada para a população como que ser um pais de primeiro mundo , para ser isto temos que melhorar educação como colocando mas faculdades , escolas de ensino técnico , saúde pois aqui no Brasil a saúde está uma vergonha gente morrendo na fila de espera como fazer para diminuir criando mas hospitais com pessoas capacitadas , na segurança botando mais policiais nas ruas , colocar policias ou exercito nas fronteiras para fiscalizar o comercio ilegal de armas , drogas , cigarros , bebida , etc .

Os brasileiros pagam um dos maiores imposto do mundo e os políticos não tem a capacidade de fazer as coisas acontecer ....
Artigo de Opinião 
Autor :- Alex Lopes Ozorio   
Galera deixa seu comentário a respeito deste tema  

Desoneração de eletroeletrônicos deve ser limitada a 35 produtos



A desoneração da folha de pagamento para a indústria de eletroeletrônicos não deve atingir todo o setor, mas sim uma lista de 35 produtos, como transformadores elétricos, para-raios e outros itens de transmissão e distribuição de energia. A lista de produtos foi discutida nesta quarta-feira entre Humberto Barbato, presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), e o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

Depois de se reunir com Mantega nesta quarta, Barbato disse que governo estuda a desoneração da Cofins para a indústria de eletroeletrônicos. A ação faz parte de uma série de medidas que a equipe econômica da presidente Dilma Rousseff tem tomado para estimular a indústria.

Os produtos selecionados para a desoneração são aqueles em que a folha de pagamento é relevante nos custos totais de produção.

As empresas que forem contempladas pela medida passarão a recolher contribuição previdenciária de 1% sobre o faturamento bruto. Além disso, o ministro afirmou a Barbato que o governo pode "desonerar integralmente as receitas de exportações do setor".

O ministro Mantega não exigiu contrapartidas do setor, segundo Barbato. "A indústria já está na UTI, então estamos na emergência. As medidas vêm nessa hora de aperto", disse.

A Abinee representa um setor que emprega cerca de 185 mil trabalhadores formais e que no ano passado registrou déficit comercial de US$ 31 bilhões.

O setor de fabricantes de ônibus também negociou nesta quarta-feira a desoneração da folha de pagamentos com o ministro da Fazenda.

O vice-presidente de relações institucionais da Marcopolo S.A. e presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus (Fabus), José Martins, disse que o setor aceita a substituição da cobrança de 20% sobre a folha de pagamento pela alíquota de 1% sobre o faturamento bruto.

Saiba o que acontece com quem se recusa a fazer o teste do bafômetro



O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta quarta-feira (28) manter a obrigatoriedade do teste do bafômetro ou do exame de sangue e rejeitar outros tipos de prova (como exame clínico e depoimento de testemunhas) para se comprovar a embriaguez de motoristas ao volante em processo criminal. Nesta quarta também, a Secretaria de Governo do Rio de Janeiro divulgou nota dizendo que o treinador da seleção, Mano Menezes, foi parado em blitz na cidade, estava sem a carteira de habilitação e se recusou a fazer o teste do bafômetro.

Qualquer pessoa pode se negar a passar pelo teste. Esse direito existe porque, segundo a lei brasileira, ninguém é obrigado a produzir provas contra si mesmo. Pela Lei Seca, qualquer motorista que se recusar a fazer o teste poderá ser autuado por infração gravíssima (multa de R$ 957,70 e perda de 7 pontos na carteira), tendo ou não mostrado indícios de consumo de álcool. É a mesma pena dada a quem é flagrado no bafômetro com teor igual ou superior a dois decigramas de álcool por litro de sangue.

Segundo o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), porém, se o fiscal de trânsito não constatar embriaguez, ele poderá liberar o motorista sem autuação, ainda que ele se recuse a fazer o teste.

A seção do STJ desta quarta foi sobre o caso de um motorista que se recusou a soprar o bafômetro. Em março de 2008, três meses antes de a Lei Seca entrar em vigor, ele se envolveu em um acidente de trânsito, foi processado porque foi submetido a exame de sangue que comprovou a embriaguez. Quando a Lei Seca entrou em vigor, o motorista conseguiu trancar a ação penal contra ele sob a alegação de que a nova lei impunha critérios mais rígidos para aferição da embriaguez.

Os ministros do STF que ficaram vencidos no julgamento defendiam a admissão de outros tipos de provas nos casos de embriaguez ao volante, como o exame clínico e o depoimento de testemunhas. A decisão de considerar somente o bafômetro ou exame de sangue como prova de embriaguez ao volante vale apenas para esse processo, mas pode ser usada como precedente para casos semelhantes nas demais instâncias da Justiça. Cabe recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Como funciona na prática
Na prática, a decisão de multar ou não o motorista que se recusa a fazer o teste varia de estado para estado. Em São Paulo, por exemplo, a Secretaria de Segurança Pública informa que quem se recusar a passar pelo bafômetro será autuado e conduzido a uma delegacia, onde assinará um termo circunstanciado. Antes de ser liberado, é levado ao Instituto Médico Legal (IML) para exame clínico. Para reaver a carteira, diz o Detran-SP, é preciso entrar com recurso contra a autuação. No Rio, a pessoa é liberada no local onde foi parada e, em caso de autuação, tem a carteira retida e poderá reavê-la em até cinco dias.

O motorista autuado nesses casos é alvo de processo administrativo, que vai determinar se houve a infração. Segundo o Denatran, enquanto esse processo transcorre o motorista pode continuar dirigindo. Se a Justiça decidir pela suspensão, cabe recurso da decisão.

Quando é caso de prisão
De acordo com o Denatran, o motorista só é responsabilizado criminalmente se for detectada dosagem de álcool igual ou superior a seis decigramas por litro de sangue. Nesse caso, a pessoa é necessariamente conduzida a uma delegacia, indicada e poderá ser solta sob fiança determinada pelo delegado, que pode variar entre R$ 300 e R$ 1.200. Em caso de condenação, a pena poderá variar de seis meses a três anos de cadeia. O infrator também sofrerá punição administrativa: perderá o direito de dirigir por um ano ou poderá ser proibido de obter novamente a carteira. As informações são do AutoEsporte

Milhares protestam em Mali contra intervenção externa



Milhares de manifestantes gritaram slogans pró-junta militar na capital do Mali nesta quarta-feira, protestando contra as ameaças de potências estrangeiras de usar sanções para forçar os líderes do golpe da semana passada a abandonar os cargos.

O golpe, visto como um revés para frágeis conquistas democráticas na África, foi desencadeado pela ira do Exército com a forma como o presidente Amadou Toumani Touré lidou com uma rebelião tuaregue no norte, que nas últimas semanas ganhou força e infligiu perdas no Exército.

Vizinhos regionais disseram que estavam dispostos a recorrer a sanções e a possível força militar para desalojar os novos líderes do Exército do Mali, instando-os a entregar o poder de volta para os civis, enquanto a França suspendeu a ajuda ao país.

"Quero que a comunidade internacional cale a boca. Esta é a nossa revolução", disse o jovem líder Oumar Diara no comício, o maior da capital de Mali, Bamako, desde que Touré foi deposto.

"Nós, os jovens, podemos viver sem a comunidade internacional. Temos vivido com os olhos fechados, mas agora estamos acordando", afirmou ele.

Os manifestantes gritavam "vitória" e "Abaixo Sarkozy, abaixo os ocidentais", enquanto um membro sênior da junta, Oumar Mariko, chamou aqueles que pressionavam por sanções contra o Mali de "traidores". Faixas traziam os dizeres "Vida longa ao Exército!" e "Reencontrar a Dignidade!".

Os soldados dizem que não têm as armas ou os recursos para deter rebeldes do norte liderados pelos tuaregues.

"Eles (os golpistas) devem ficar para resolver os problemas no norte, a corrupção e a educação. Isso é mais importante do que as eleições", disse um manifestante, Khalifa Sogo, sobre a insatisfação sentida por muitos malianos com o regime de Touré.

Mais cedo, os líderes golpistas do Mali anunciaram uma nova Constituição, incluindo a promessa de permitir as eleições nas quais eles seriam impedidos de participar. O documento não especificou quando as eleições seriam realizadas.

Morre tibetano que se imolou em Délhi; manifestantes são presos

AFP


NOVA DÉLHI — O tibetano exilado que ateou fogo ao próprio corpo na segunda-feira em Nova Délhi morreu nesta quarta-feira, enquanto uma centena de outros manifestantes contrários à visita do presidente chinês Hu Jintao a capital indiana foram presos pela polícia.

Jamphel Yeshi, 27 anos, imolou-se durante um protesto em pleno centro da cidade. Com o corpo em chamas, correu pela rua aos gritos.

É a primeira vez que um tibetano morre desta maneira em um outro país que não a China. Suicídios similares acontecem com frequência desde março de 2011 nas regiões tibetanas chinesas.

A manifestação desta quarta-feira foi convocada por tibetanos exilados na Índia por ocasião da visita de Hu Jintao, que participará em uma reunião com os países do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) na quinta-feira, para alertar contra a repressão chinesa ao Tibete.

Segundo testemunhas, a polícia prendeu nesta quarta-feira dezenas de manifestantes, incluindo muitas mulheres, reunidos no mesmo local em que Yeshi cometeu o ato de imolação.

Estudantes tibetanos afirmaram ainda que a polícia os impediu de sair de suas casas e que as forças de segurança patrulhavam os bairros em que residem tibetanos exilados, na zona norte da capital.

"Eu estou preso desde ontem em minha casa com 150 outros estudantes", declarou à AFP Paldin Sonam, 24 anos, militante tibetano que estuda na Universidade de Nova Délhi.

"A polícia diz que tem medo que as pessoas façam a mesma coisa que Yeshi".

O porta-voz da polícia de Nova Délhi, Rajan Bhagat, assegurou que a polícia não foi enviada "às residências dos tibetanos, mas foi dada a ordem de não protestarem durante a reunião".

"Os manifestantes foram levados para longe do local de protesto, pois não tinham permissão", acrescentou.

A morte de Yeshi, que fugiu de seu país em 2006, foi constatada na manhã desta quarta-feira no hospital Ram Manohar Lohia.

"Seu corpo parou de funcionar. Ele tinha 98% do corpo queimado", disse à AFP o diretor do setor de queimaduras, L.K. Makhija.

Tibetanos que participavam da manifestação descreveram Yeshi como um homem sem emprego estável e que preparou com cuidado a ação. Ele tinha escondido uma garrafa de gasolina com a qual se molhou.

Antes do anúncio da morte, Tenzing Choegyal, membro do Congresso da Juventude Tibetana, afirmou que seu amigo nunca esqueceu a tortura que sofreu pelos chineses no Tibete.

"Yeshi era um prisioneiro político no Tibete. Foi preso duas vezes pela polícia", contou à AFP.

Quase 30 tibetanos, em sua maioria monges budistas, imolaram-se ou tentaram desde março de 2011.

Muitos tibetanos afirmar sofrer com a repressão religiosa e cultural, considerada com uma forma de dominação dos Han, etnia majoritária na China.

A China rejeita as acusações e considera o líder espiritual dos tibetanos, o Dalai Lama, um perigoso separatista.

MMX perto de obter licença para triplicar produção

Reuters Brasil


RIO DE JANEIRO, 28 Mar (Reuters) - A MMX, mineradora do empresário Eike Batista, pode receber nos próximos dias a licença que faltava para iniciar a construção do complexo que expandirá a mina de Serra Azul, abrindo caminho para a mineradora quase triplicar sua produção.

O assunto está previsto para ser tratado na próxima segunda-feira reunião do Conselho Estadual de Política Ambiental de Minas Gerais (Copam), segundo informação disponível no site do órgão.

"Estamos preparados para começar a construção imediatamente, com contrato pronto, empreiteiros à disposicao", afirmou o presidente e diretor de Relações com Investidoros da MMX, Guilherme Escalhão, em teleconferência para analistas de mercado nesta quarta-feira.

A licença de instalação aguardada pela MMX permitirá a construção do complexo de beneficiamento de Serra Azul, situada na região do Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais, que fará a produção da MMX passar de 8,7 milhões de toneladas de minério de ferro por ano para 24 milhões de toneladas anuais.

O projeto, com perspectiva de entrada em operação no primeiro trimestre de 2014, prevê usina terminal ferroviário, um transportador de correia de longa distância, adutoras e estrutura para transmissão de energia.

"Cumprimos todos os requisitos, temos já licença inicial para o complexo de beneficiamento, obtida em agosto passado, e estamos prontos para obter a licença de implementação e de construção; esperamos que isso aconteça em breve", acrescentou o executivo.

A partir da licença, a empresa poderá obter financiamento para o projeto, que deverá consumir 4 bilhões de reais em investimentos. A empresa pretende financiar 75 por cento deste valor.

US$1 BI DOS ASIÁTICOS

O executivo informou na teleconferência que a empresa recebeu recentemente carta de intenção de bancos de fomento da China e da Coreia em valor que soma 1 bilhão de dólares.

A companhia da holding controlada por Eike Batista negocia com bancos de desenvolvimento da China e da Coreia do Sul, além do BNDES, financiamentos para cobrir parte dos investimentos do projeto de minério de ferro de Serra Azul.

A chinesa Wuhan Iron & Steel (Wisco) possui participação de 16 por cento na MMX, enquanto a coreana SK Networks detém 14 por cento. As duas fecharam contratos de 20 anos de fornecimento de minério de ferro com a empresa de Eike Batista.

A companhia informou em novembro que negociava na China com o CBC (China Development Bank) e com o Export-Import Bank of China. Na Coreia, da mesma forma, com o KDB (Korean Development Bank) e o Korea Exim. Itaú BBA e WeltLB foram contratados para auxiliar nas negociações.

AÇÕES EM ALTA

A expectativa de liberação da licença - e de financiamento -impulsionou os as ações da MMX neste ano. Depois de amargar queda constante a partir do segundo semestre do ano passado, as ações da companhia passaram a subir em 2012.

De janeiro até o fechamento desta terça-feira, os papéis acumulam alta de 39 por cento e, segundo um analista, a alta se deve às perspectivas de obtenção da licença.

PORTO DO SUDESTE

A expectativa da companhia é que já em abril haja audiências públicas para a análise de projetos ambientais necessárias ao desenvolvimento do Porto do Sudeste.

O minério de ferro produzido na Unidade de Serra Azul será exportado pelo Superporto Sudeste, que está em fase avançada de construção no município de Itaguaí (RJ). O Superporto Sudeste terá capacidade operacional de 50 milhões de toneladas por ano, na primeira fase, e a MMX já trabalha na expansão para 100 milhões de toneladas numa segunda fase.

Em setembro, a MMX arquivou no órgão ambiental do Rio de Janeiro EIA/RIMA requisitando a licença para a expansão da capacidade do Superporto Sudeste e tem como próximo passo para o licenciamento a realização de audiências publicas nas comunidades ao entorno, em Itaguaí.

China é parceiro do Brics com o qual o Brasil tem maior estabilidade



Brasília – A China figura como o parceiro comercial onde as exportações brasileiras tiveram maior estabilidade no índice de complementaridade comercial (IC), entre 2000 e 2010, comparado às importações daquele país, no âmbito do Brics – bloco que reúne o Brasil, a Rússia, a Índia, a China e a África do Sul.

De acordo com o pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Flávio Lyrio Carneiro, coordenador de estudo divulgado hoje (28) no Boletim de Economia e Política Internacional, o Brasil tem possibilidade de equilibrar esse fluxo comercial com mais reciprocidade em muitas categorias de produtos.

A Índia foi, no período, o parceiro comercial cujas importações foram menos complementares às exportações brasileiras, seguida da Rússia e da África do Sul.

O IC do Brasil com a China subiu, no período analisado, de 9% para 17% na área de produtos primários; e de 28% para 32%, de manufaturados. O índice caiu de 24% para 14% em produtos de baixa tecnologia e de 34% para 31% em produtos de alta tecnologia.

Com a Rússia, a distribuição do total de produtos com IC subiu de 12% para 14% no período; caiu de 26% para 24% na área de manufaturados; de 24% para 18% na área de baixa tecnologia, subindo de 33% para 38% na área de alta tecnologia. Já o IC dos produtos primários subiu de 24% para 59%; dos manufaturados caiu de 74% para 40%; e o IC dos produtos de baixa e alta tecnologia ficou estável no período.

Entre o Brasil e a Índia, a distribuição do total de produtos com IC registrou queda de 10% para 9% nos produtos primários; de 34% para 31% nos manufaturados; e de 17% para 13% em produtos de baixa tecnologia. Já nos produtos de alta tecnologia, houve elevação do IC de 34% para 41%.

Com a China, houve clara tendência de expansão do IC nas categorias dos produtos primários e de manufaturas, em detrimento da indústria de baixa e média tecnologia, enquanto, na alta tecnologia, o índice manteve-se relativamente estável.

Para Flávio Carneiro, essa trajetória pode significar um reforço à tendência de ampliação da participação dos produtos primários e de manufaturas na pauta exportadora do Brasil. Na média tecnologia, há complementaridade em pouco menos de um terço dos produtos no comércio com a China.

Nas exportações brasileiras para a Índia, a categoria de média tecnologia assume posição de destaque ao chegar aos 40% em 2010. A contrapartida de IC da Índia na área de manufaturas apresentou ligeiro decréscimo, ao contrário do verificado com a China, não tendo havido acréscimo na parcela referente aos produtos primários. A redução na concentração dos produtos de baixa tecnologia foi comum a ambos, assim como a reciprocidade comercial na categoria de alta tecnologia.

Morre escritor Millôr Fernandes aos 87 anos

Millôr foi dono de talento multifacetado  / Marcos de Paula/AE

Morreu na noite dessa terça-feira, dia 27, no Rio de Janeiro, o escritor carioca Millôr Fernandes. Ele tinha 87 anos e teve falência múltipla de órgãos em sua casa.
Segundo o jornalista da Band Ricardo Boechat, que conversou com o filho de Millôr, Ivan Fernandes, o corpo do escritor permanecerá hoje em uma funerária e será velado nesta quinta-feira, dia 29, a partir das 10h, no cemitério Memorial do Carmo, no Caju, zona portuária da capital. Em seguida, às 15 h, o corpo será cremado.
Em 2011, o escritor foi internado duas vezes na Casa de Saúde São José, também no Rio, mas os motivos da internação não foram divulgados.

Em entrevista ao canal GloboNews na manhã de hoje, o jornalista Zuenir Ventura lamentou a morte do amigo. "É realmente uma perda. A perda de um gênio. É uma perda para o jornalismo, para o teatro, para a literatura, porque o Millôr fazia tudo", afirmou.

Talento multifacetado

Além de escritor, Millôr também foi desenhista, jornalista e dramaturgo de destaque.

Nascido em 27 de maio de 1924 - segundo sua certidão de nascimento, mas a família diverge sobre o registro da data correta - o escritor ficou órfão de pai um ano depois e aos dez anos perdeu a mãe. Com pouca idade, viu sua família se separar e cada irmão teve de ir morar com um parente.

"Morto meu pai. Nessa idade a orfandade passa impressentida. Mas a família - mãe com quatro filhos - cai de nível imediatamente", escreveu o jornalista na biografia apresentada por seu site oficial.

"Morta minha mãe. Sozinho no mundo tive a sensação da injustiça da vida e concluí que Deus em absoluto não existia. Mas o sentimento foi de paz, que durou para sempre, com relação à religião: a paz da descrença", acrescentou ainda sobre as perdas.

Aos 14 anos, entrou na carreira jornalística e aos 19, na revista "O Cruzeiro", que viu em seis anos sua tiragem subir de 11 mil para 750 mil exemplares, tornando-se uma grande influência na formação da opinião pública no Brasil.

Em 1957, aos 33 anos, expôs seus primeiros desenhos no Museu de Arte Moderna.

Millôr também for um dos criadores do jornal "O Pif-Paf" que, apesar de ter durado apenas oito edições, é considerado o ínicio da imprensa alternativa no Brasil. Colaborou ainda ativamente com "O Pasquim", publicação de forte oposição ao regime militar.

O escritor ainda traduziu várias peças de Shakespeare, tornando-se referência no meio teatral. Também colaborou em jornais como "O Globo" e "O Estado de S. Paulo", além da revista "Veja".

Na virada do século, lançou seu site oficial "Millôr Online". Mesmo com a avançada idade, foi sempre ligado a internet, às redes sociais, e possuía conta no Twitter com mais de 360 mil seguidores.



deixa seu cometário a respeito do escritor Millôr 

Fidel Castro faz três perguntas ao Papa

AFP


HAVANA, Cuba — O pai da revolução cubana, Fidel Castro, teve uma "conversa muito animada" nesta quarta-feira, em Havana, com o Papa Bento XVI, a quem fez algumas perguntas, entre elas sobre o sentido das mudanças litúrgicas nas missas, relatou o porta-voz da Santa Sé, Federico Lombardi.
 
"Soube pelo próprio Papa como se desenvolveu o encontro. Segundo Bento XVI foi uma conversa muito animada, com muitas trocas de argumentos", disse o padre Lombardi aos jornalistas, sobre o encontro de 30 minutos entre os dois líderes, na sede da Nunciatura Apostólica.

"O diálogo foi intenso e cordial", comentou.

"Fidel queria conhecer o pensamento do Papa sobre diversos temas", disse Lombardi, destacando que o "Comandante", ex-aluno dos jesuítas, leva "uma existência dedicada à reflexão sobre a cultura e o mundo de hoje".

"Ele (Castro) perguntou ao Papa, em primeiro lugar, sobre as mudanças litúrgicas na celebração da missa, ouvindo de Bento XVI as explicações sobre o sentido dessa renovação", segundo o padre Lombardi.

"Depois, Fidel Castro quis saber sobre o trabalho apostólico de um Papa, sua missão e tarefa.

"Al final, indagou sobre as dificuldades vividas pela Igreja nos tempos de hoje". O Santo Padre mencionou a complexidade das religiões em responder aos "desafios" da modernidade.

Disse também que as dificuldades enfrentadas pela humanidade são causadas pela ausência de Deus. E expôs seus temas de reflexão: as relações entre a fé e a razão, entre a liberdade e a responsabilidade", acrescentou o porta-voz.

Fidel Castro disse que acompanhou toda a vista pontifical a Cuba pela televisão. Os dois puseram em destaque suas idades avançadas (Castro tem 85 anos e o Papa, 84) e Bento XVI disse a Castro: "já estou velho, mas de qualquer forma, ainda posso cumprir com os meus deveres".

O Vaticano sabia há algum tempo do "grande desejo de Fidel Castro de se encontrar com o Papa", acrescentou o porta-voz.

'Vou voltar à política', diz Lula em mensagem de agradecimento



Após confirmado o desaparecimento do seu tumor na laringe, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou, em vídeo de agradecimento divulgado pelo Instituto Lula, sua volta à política. "Vou voltar à vida política. Vou voltar à política, porque o Brasil precisa continuar crescentdo, se desenvolvendo e distribuindo renda", diz o ex-presidente no vídeo feito pelo instituto que leva seu nome.

Na mensagem, o ex-presidente diz que vai continuar tomando cuidados com a saúde, mas acrescenta que isso não impedirá suas atividades. "Vou voltar muito mais maduro, mais calejado e também tomando cuidados com a saúde."

O ex-presidente também agradece aos médicos e funcionários do hospital Sírio-Libanês, onde realizou as sessões de quimioterapia e radioterapia, à presidenta Dilma Rousseff "que com sua experiência de ter vencido um câncer ajudou muito", ao povo brasileiro, que o apoiou com mensagens, solidariedade e oração e "àqueles que acreditam no futuro do Brasil".



Na manhã desta quarta-feira, Lula realizou exames que confirmaram que o tumor na laringe desapareceu. De acordo com o boletim médico, os exames detectaram "ausência de tumor visível, revelando apenas leve processo inflamatório nas áreas submetidas à radioterapia, como seria esperado". Lula chegou ao hospital hoje por volta das 8h e foi submetido a ressonância nuclear magnética e laringoscopia, segundo o hospital.

Emocionado - mas sem chorar - o ex-presidente telefonou para sua mulher e para Dilma para compartilhar a notícia. O terceiro a receber a notícia de Lula foi o presidente da República em exercício, deputado Marco Maia (PT-RS).

Câncer

O tratamento de Lula começou no dia 31 de outubro e incluiu sessões de quimioterapia e de radioterapia. A última sessão de radioterapia ocorreu no dia 17 de fevereiro. O último exame detalhado realizado por Lula, realizado em dezembro, já havia apontado uma redução do tumor de 75% em relação ao seu tamanho inicial, de 2,5 centímetros de diâmetro.

O câncer de laringe está altamente associado ao fumo e ao consumo de álcool. Se descobertos em estágio inicial, 90% dos casos são curáveis. Se o câncer se espalhou para as áreas ao redor da laringe (gânglios linfáticos e pescoço) as chances de cura ficam entre 50% e 60%. Os tratamentos incluem cirurgia para remoção do tumor, radioterapia e quimioterapia.

quinta-feira, 22 de março de 2012

China e Europa pressionam a Bovespa para baixo



Números ruins sobre a economia na China e na Europa puxam o Ibovespa para baixo nesta quinta-feira.

Às 12h10, o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) recuava 1,61%, para 65.786 pontos. Em Nova York, Dow Jones caía 0,80%, Nasdaq perdia 0,77% e S&P500 tinha baixa de 0,97%.

O volume financeiro na Bovespa era de R$ 2,060 bilhões. Vale PNA recuava 1,83%, para R$ 40,70, e Petrobras PN caía 1,20%, para R$ 23,82.

As principais quedas do dia eram lideradas por JBS ON (-4,15%, para R$ 7,84). A empresa divulgou balanço ontem e o resultado decepcionou os analistas.

A companhia, uma das líderes no mercado mundial de proteína animal, registrou lucro líquido de R$ 25,6 milhões no último trimestre do ano passado, ante um prejuízo de R$ 539,3 milhões em igual período de 2010. No ano, a empresa teve prejuízo líquido R$ 75,7 milhões, ante resultado também negativo de R$ 292,8 milhões do ano anterior.

Em relatório, o Bank of America Merrill Lynch classifica o resultado operacional do trimestre como ligeiramente pior que o esperado. A receita líquida, de R$ 16,9 bilhões, ficou 3% aquém do estimado, enquanto a geração de caixa medida pelo Ebitda ajustado, de R$ 919 milhões, ficou 7% abaixo do esperado, sobretudo em razão de resultados mais fracos nas operações de carne no Brasil e de suínos nos Estados Unidos. A margem Ebitda do trimestre ficou em 5,4%, ante expectativa de 5,7%. Já a margem Ebitda anual recuou de 6,9% para 5,1%.

Em geral, os mercados reagem a números desfavoráveis sobre atividade industrial na China e na Europa. O indicador chinês, medido pelo HSBC, cedeu de 49,6 em fevereiro para 48,1 em março, a mínima em quatro meses. Na Europa, a atividade industrial em março caiu de 49,3 em fevereiro para 48,7 em março, distanciando-se ainda mais da marca de 50, que separa contração de expansão. O número também sugere que a indústria da região encolheu no primeiro trimestre do ano.

“O mundo hoje acordou mais avesso a risco”, comenta o estrategista da Ágora Corretora, José Francisco Cataldo.

No Brasil, os números bons de IPCA-15 e emprego não se mostraram suficientes para mudar o sinal do Ibovespa. A taxa de desemprego foi de 5,7% em fevereiro, resultado maior frente a janeiro (5,5%), mas abaixo da mediana das expectativas (5,9%). Mais uma vez, a taxa de desemprego continuou menor em relação ao mesmo mês do ano passado (6,4% em fevereiro de 2011), destaca o Banco Fator em relatório.

Já o IPCA-15 fechou março em 0,25%, abaixo do consenso de mercado de 0,38%. A Gradual Investimentos lembra que o valor é significativamente menor do que o apurado em março de 2011 e 2010, quando foi de 0,60% e 0,55%, respectivamente.

Muçulmanos em França temem reacções do país ao caso Toulouse

Assim que foi confirmada a ascendência argelina e as alegadas ligações à Al-Qaeda de Mohamed Merah, o principal suspeito de ter cometido os ataques que em nove dias vitimaram sete pessoas na região de Toulouse, o receio instalou-se na comunidade muçulmana em França: em causa estavam as eventuais repercussões sociais que pudessem brotar no pais, após o devaneio terrorista de um indivíduo.

Ontem, quarta-feira, quando as autoridades ainda lidavam com a barricada de Merah na sua residência, os principais líderes e representantes das instituições muçulmanas em França começaram a lançar os seus apelos, alguns deles compilados pelo Le Monde.

Na ressaca de Toulouse, Sarkozy prometeu 'punir com a lei' o terrorismo em França.

Dalil Boubakeur, reitor da mesquita de Paris, começou por falar na «amálgama» que hoje Nicolas Sarkozy também frisou, ao explicar que «não se deve misturar a religião muçulmana, 99% pacífica, com estas mini-franjas de pessoas decididas a fazer atrocidades».

Comum a todas as declarações foi o esforço por se distanciarem dos actos alegadamente cometidos pelo suspeito de Toulouse.

Mohammed Moussaoui, presidente do Conselho Francês do Culto Muçulmano (CFCM), realçou que «este indivíduo [Mohamed Merah] não pode em caso nenhum justificar os seus actos com a religião muçulmana».

Em comunicado, o Colectivo contra a Islamofobia em França (CCIF) lembrou o massacre que Anders Breivik cometeu na Noruega – matou 77 pessoas num ataque que, como explicou, visou «traidores» que apoiavam «a colonização islâmica» -, para apelar a uma «reflexão» que «mude o clima de ódio que conduziu ao drama» de Toulouse.

Os receios estenderam-se a Driss El-Kherchi, presidente da Associação do Trabalhadores Migrantes em França (ATMF), ao alertar para o clima de «culpabilização», lembrando que existe «a preocupação de que esta é uma oportunidade para alguns partidos» de «atacarem» os muçulmanos presentes no país.

E recorde-se que, durante a sua campanha de recandidatura à presidência do país, Nicolas Sarkozy começara já a adoptar um discurso virado à direita, tendo inclusivamente dito, durante um debate televisivo, que a França tinha «demasiados estrangeiros» e que pretendia «reduzir para metade» o número de imigrantes que anualmente entram no país.

Estima-se que em França existam cerca de cinco milhões de pessoas de origem muçulmana.

IPCA-15 desacelera em março com educação--IBGE

Reuters Brasil


RIO DE JANEIRO, 22 Mar (Reuters) - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) -considerado uma prévia da ganho de 0,38 por cento em março, segundo a mediana das previsões de 17 analistas, cujas estimativas variaram entre alta inflação oficial- subiu 0,25 por cento em março, mostrando uma forte desaceleração ante a alta de 0,53 por cento registrada em fevereiro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

O resultado deste mês é o melhor para março desde 2009 -auge da crise internacional, quando teve alta de 0,11 por cento- e veio bem abaixo das expectativas do mercado. Economistas consultados pela Reuters previam de 0,32 por cento e de 0,43 por cento.

No acumulado dos últimos 12 meses, o IPCA-15 registrou alta de 5,61 por cento, abaixo dos 12 meses imediatamente anteriores, quando ficou em 5,98 por cento. Em março do ano passado, o indicador havia registrado alta de 0,60 por cento.

De acordo com o IBGE, a desaceleração da alta do IPCA-15 deveu-se à "forte redução dos efeitos da alta sazonal do grupo educação", que ficou concentrada em fevereiro, com alta de 5,66 por cento. Em março, reduziu a 0,51 por cento. Com isto, ainda segundo o instituto, a alta de preços no segmento de produtos não alimentícios passou de 0,60 por cento em fevereiro para 0,26 por cento em março.

O grupo Alimentação e bebidas também mostrou desaceleração nas altas, passando de 0,29 por cento em fevereiro para 0,22 por cento neste mês. O grupo Despesas pessoais foi o que mais mostrou alta em março, com 0,60 por cento, enquanto na ponta oposta veio o grupo Comunicação, com deflação de 0,49 por cento.

JUROS EM QUEDA

O resultado do IPCA-15, mostrando desaceleração forte neste mês, foi considerado uma boa surpresa pelos analistas, o que corrobora que o Banco Central deve continuar reduzindo a Selic -hoje em 9,75 por cento ao ano. Para o economista-chefe da CM Capital Markets, Mauricio Nakahodo, está mantida a expectativa de pelo menos mais um corte de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juros, como ocorreu no início do mês.

"Mas acho que é muito cedo para revisar (a estimativa), até porque em abril a inflação não deve vir tão baixa quanto foi em março", afirmou ele, citando preços de tarifas de energia.

O BC vem afirmando que a inflação no Brasil está convergindo para o centro da meta de 4,5 por cento pelo IPCA, para justificar a redução da Selic, de 12,5 por cento em agosto para 9,75 por cento atualmente, com a intenção de estimular a economia. O governo quer garantir uma expansão econômica na casa dos 4 por cento neste ano, após os 2,7 por cento vistos em 2011.

Além disso, O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC deixou claro que pretende levar a taxa básica de juros para patamares "ligeiramente acima dos mínimos históricos" e estabilizá-la neste nível. O piso já alcançado é de 8,75 por cento ao ano, que vigorou entre julho de 2009 a abril de 2010.

No relatório Focus desta semana, o mercado financeiro acompanhou essa percepção e elevou para 0,75 ponto percentual sua estimativa de corte na taxa básica de juros na próxima reunião do Copom, em 18 de abril. Além disso, o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) foi estimado em 3,30 por cento neste ano e em 4,20 por cento no ano que vem.

Em fevereiro, o IPCA subiu 0,45 por cento, após alta de 0,56 por cento em janeiro, o menor patamar em cinco ano para o período, mostrando que a inflação havia perdido força.

Desemprego no Brasil sobe a 5,7% em fevereiro–IBGE



O desemprego brasileiro subiu para 5,7 por cento em fevereiro, ante 5,5 por cento em janeiro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.


Governo adotará medidas para incentivar a economia, sobretudo o setor industrial., diz Mantega - Divulgação

Pesquisa da Reuters mostrou que, pela mediana das previsões de 19 analistas consultados, a taxa seria de 5,9 por cento no mês passado. As estimativas variaram de 5,7 a 6,2 por cento.

A taxa de janeiro havia sido a menor para o mês desde o início da série histórica, em 2002.

Em fevereiro de 2011, a taxa ficou em 6,4 por cento, sendo que em dezembro passado chegou à mínima histórica de 4,7 por cento.

O emprego é uma das principais preocupações deste ano para o governo, que por isso vem se empenhando para garantir um crescimento econômico na casa de 4 por cento no período. A atenção redobrou porque, em 2011, o país registrou expansão de apenas 2,7 por cento.

Para tanto, entre outros, o Banco Central acelerou o ritmo de corte nos juros básicos em 7 de março, de 10,50 para 9,75 por cento ao ano para estimular o consumo e, consequentemente, a atividade.

Além disso, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, tem dito que o governo adotará medidas para incentivar a economia, sobretudo o setor industrial. Mas exigirá contrapartidas, como a manutenção de empregos.

O mercado de trabalho mostrou sinais de fraqueza recentemente. Em fevereiro, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho, a economia brasileira gerou 150.600 postos de trabalho em fevereiro, 57 por cento a menos do que no mesmo período do ano anterior.

Dia Mundial da Água: “Não há solução única e mágica"



De acordo com a Organização das Nações Unidas, cerca de 800 milhões de pessoas no mundo ainda não tem acesso à água potável. Levando em conta o crescimento populacional e o desenvolvimento econômico este cenário só vai piorar. Para que isto não aconteça, é preciso uma mudança radical, de acordo com Albano Araújo, Coordenador da Estratégia de Água Doce, do Programa de Conservação da Mata Atlântica, da ONG The Nature Conservancy.





Ele afirma, neste dia mundial da água, que é hora de pensar de forma mais efetiva nas soluções possíveis para a distribuição equitativa de água no mundo, mesmo que se tenha em mente que não existe uma solução mágica para todo o mundo ou mesmo para um país das dimensões do Brasil. “Há um conjunto de soluções que pode ser combinado para resolver problemas específicos de cada local”, disse.

Veja abaixo a entrevista concedida ao iG:

iG: Qual é o maior problema referente a distribuição de água no mundo?
Albano Araújo: Há dois problemas básicos a serem enfrentados: a escassez física e a escassez econômica de água. Em algumas regiões do mundo, devido às condições climáticas, simplesmente não há água suficiente. Em outras regiões a falta de infraestrutura e de investimentos faz com que as populações, especialmente as mais pobres, não tenham acesso à água limpa na quantidade adequada. Um grande desafio então em nível global é garantirmos o acesso equitativo à água, independente do nível de renda e, onde há escassez física, trabalharmos para encontrar soluções tecnológicas que aumentem a disponibilidade de água.

iG: E no Brasil, qual é o principal problema em relação à água?
Albano Araújo: No Brasil ainda enfrentamos a consequência de décadas de baixo investimento. A disponibilidade de saneamento básico é totalmente incompatível com o atual nível da atividade econômica no país. Os melhores números estão na região Sudeste, onde cerca de 95% da população tem acesso a água tratada e 70% do esgoto é coletado, mas no extremo a região norte a coleta de esgoto é inferior a 5% e menos de 70% da população recebe água tratada. O Brasil precisa investir pesadamente em tratamento de água e esgotos para revertermos estes números e deixarmos de ter ‘rios mortos’ correndo pelas cidades, verdadeiros esgotos a céu aberto, que contribuem para a disseminação de doenças.

iG: Um estudo recente afirma que a agricultura usa 92% da água doce do mundo. O que é preciso fazer para reverter esta situação?
Albano Araújo: O estudo diz que a agricultura contribui com 92% da pegada hídrica global da humanidade, mas também ressalta que cerca de 75% desta contribuição vem da Pegada Hídrica Verde, que corresponde à água da chuva que fica disponível nos solos para as culturas. Esta é a água que será absorvida e evapotranspirada pelas plantas. De um ponto de vista de sustentabilidade, poderíamos dizer genericamente ‘quanto mais verde melhor’ em relação à Pegada Hídrica de uma cultura, ou seja, quanto maior for a proporção do uso de água ‘verde’ (da chuva), mais água ‘azul’ ficará disponível, ou seja a água dos rios, lagos e aquíferos. Como a água ‘verde’ só pode ser usada na agricultura e a água azul tem múltiplos usos, o desafio na agricultura é aumentarmos a produtividade reduzindo o uso da água azul, o que pode ser feito principalmente otimizando os sistemas de irrigação.


iG: Ainda de acordo com este estudo, o Brasil é o quarto maior consumidor de água no mundo. Que bons e exemplos poderiam ser adotados para que o País consumisse menos água?
Albano Araújo: A Pegada Hídrica Verde do Brasil é grande devido à sua relevante produção agropecuária, mas novamente, este é um uso adequado da água verde, mas lembrando que podemos aplicar técnicas que aumentam a produtividade das culturas que não demandam irrigação. Com certeza, a nossa deficiência de saneamento é outro fator que aumenta consideravelmente a componente cinza da Pegada Hídrica do Brasil, já que poluímos grandes volumes de água dos rios lançando neles esgotos não tratados. Como a Pegada Hídrica cinza calcula o volume necessário para diluir esta poluição, tem-se um efeito multiplicador muito forte.

Uma boa prática extremamente viável no Brasil seria a captação de água de chuva para uso doméstico e industrial. O exemplo das cisternas no agreste nordestino mostra que mesmos com níveis de precipitação muito baixos (entre 600mm e 800mm por ano), já é possível armazenar água suficiente para os usos básicos de uma família. No restante do país onde chove muito (geralmente mais de 1.500mm por ano), a captação de água de chuva pode chegar a suprir até 40% da demanda doméstica. Como nosso sistema de distribuição de água tem muitas perdas (em média no Brasil metade da água tratada se perde nos encanamentos antes de chegar nas casas), captar água da chuva diretamente nas casas poderia ajudar bastante a reduzir a demanda de água dos mananciais que abastecem as cidades.

iG: Críticos afirmam que o Fórum Mundial da Água, na França, apenas reforçou a parceria público-privada para o acesso a água? O senhor concorda com isto? Seria mesmo um retrocesso?
Albano Araújo: Em linhas gerais, a ideia do Fórum foi buscar soluções viáveis para garantir o acesso equitativo e o uso eficiente e sustentável da água. Os problemas já são bem conhecidos e considerou-se que era hora de pensar de forma mais efetiva nas soluções possíveis. Um fato consensual é que não há uma solução única e mágica que possamos aplicar em todo o mundo ou mesmo em um país do tamanho do Brasil, mas há um conjunto de soluções que pode ser combinado para resolver problemas específicos de cada local. Desta forma, as parcerias público-privadas, bem como a valoração econômica da água, os programas de pagamentos por serviços ambientais, a criação de fundos para conservação da água, etc. são propostas de abordagens e soluções viáveis para alguns locais, mas não para todos.

iG: É possível assegurar a equidade no acesso de água em todo o mundo neste cenário que parece cada vez mais se agravar?
Albano Araújo: Não com o modelo atual de desenvolvimento. Qualquer projeção feita em uma calculadora com as quatro operações básicas mostra que se a população atual do planeta (sem contar o aumento previsto para os próximos 50 anos) assumisse o padrão de consumo dos países desenvolvidos, precisaríamos de mais 4 ou 5 planetas para dar conta do recado. Em algum momento será necessário fazer uma grande mudança nos padrões de comportamento e na relação com a natureza, evoluindo de uma visão consumista para uma mais sustentável. Por enquanto é uma opção, mas talvez antes do que pensamos isto será mandatório.

iG: Com base na realidade de hoje, que cenário teremos para os próximos anos?
Albano Araújo: As projeções são sombrias, mas são muito palpáveis as possibilidades de alterarmos o nosso futuro realizando agora as ações que nos permitirão viver em harmonia com o meio ambiente ao mesmo tempo em que podemos usufruir de uma qualidade de vida cada vez melhor. Certamente teremos de abrir mão de alguns itens dos nossos sonhos de consumo, mas poderemos substituí-los por outros equivalentes que nos tragam benefícios semelhantes, mas sem destruir a natureza e colocar em risco o futuro das próximas gerações.

Em busca de acordo para a Lei da Copa, líder do PT diz que baixará tom de críticas



O líder do PT, deputado Jilmar Tatto (SP), admite baixar o tom das críticas relacionadas ao projeto do novo Código Florestal para permitir um diálogo com as bancadas que apoiam o governo para a votação da Lei Geral da Copa (PL 2330/11).

O petista negou que tenha se dirigido de forma ofensiva à bancada ruralista quando falou em predadores da agricultura no discurso em Plenário nesta quarta-feira.

Não sei se alguém vestiu a carapuça, mas, de minha parte, em nenhum momento eu falei da bancada ruralista nem falei mal dos produtores. Vamos diminuir o tom do discurso. Se isso ajudar, vamos conversar com todos os partidos da base e garantir que a Lei Geral da Copa seja votada na semana que vem e depois montar um calendário para discutir o mérito do Código Florestal”, disse.

Troca de favores
O líder do DEM, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA), disse que o próprio governo está prejudicando o clima de votações na Câmara. O deputado não aceita que a oposição seja culpada pelos atrasos e impasses, “quando os próprios aliados do Palácio do Planalto estão pressionando por trocas de favores políticos”.

“O que a gente da oposição gostaria é que o governo dialogasse em torno de todas as matérias e não seguisse aquela lógica de sempre da política do toma-lá-dá-cá, da troca de favores, porque isso faz com a presidente fique refém da sua base. Não queremos que a Câmara fique parada e que a presidente fique refém de ninguém”, acrescentou.

Lei da Copa
O relator da Lei Geral da Copa, deputado Vicente Candido (PT-SP), reclama da confusão em torno do projeto. “Eu acho que nós estamos complicando uma coisa que não deveria ser tão complicada. O Brasil tem que tomar medidas, ou contra ou a favor, não pode ter dubieade, não pode ter conflito de normas entre os entes federados, tampouco entre os organizadores do evento e a CBF”, disse.

Os líderes partidários vão tentar até a semana que vem um acordo que permita a votação da Lei Geral da Copa antes do feriado da Semana Santa.

Classe C chega a 54% da população e tem renda média de R$ 1.450



Embora em ritmo menos acelerado, a classe C continuou a crescer no Brasil em 2011. A participação desse estrato social no total da população brasileira foi de 54% no ano passado, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira pela Cetelem, financeira do grupo francês BNP Paribas em parceria com o instituto Ipsos.

Em 2010, ela representava 53% da população. De acordo com a pesquisa "O Observador Brasil 2011", a classe C recebeu 2,7 milhões de brasileiros em 2011, vindos da classe DE. Hoje, 103 milhões de pessoas fazem parte dessa classe social. A classe DE, por sua vez, encolheu no ano passado, representando 24% da população, num total de 45,2 milhões de brasileiros. Em 2010, eram 47,9 milhões de pessoas, ou 25% da população.

"Essas mudanças marcam a consolidação da mobilidade social que vimos ocorrer no Brasil nos últimos anos", diz Marcos Etchegoyen, diretor-presidente da Cetelem BGN. A pesquisa, realizada desde 2005, mostra que 63,7 milhões de brasileiros ascenderam socialmente no Brasil nos últimos sete anos. "É o equivalente a toda a população da Itália", comenta Etchegoyen.

O grupo que mais contribuiu para essa evolução foi a classe C, que representava 34% da população em 2005, e hoje está em 54%.

As classes sociais utilizadas no estudo são as definidas pelo Critério de Classificação Econômica Brasil (CCEB), fornecida pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Abep).

O conceito não considera a renda, mas a posse de itens como eletrodomésticos, veículos, quantidade de cômodos na casa e grau de instrução do chefe de família.

RENDA

A pesquisa mostrou ainda que a classe C foi a única camada da população cuja renda média familiar cresceu em 2011. A evolução foi de 8%, para R$ 1.450. As classe AB e DE tiveram uma ligeira queda na renda, de R$ 2.893 em 2010 para R$ 2.907 no ano passsado, no caso da AB, e de R$ 809 para R$ 792, na classe DE.

A renda disponível, que corresponde à renda da família após os gastos, cresceu em todas as classes sociais no ano passado, o que indica que houve uma maior contenção dos gastos. "As pessoas gastaram menos no ano passado,influenciadas pela piora no ambiente econômico, especialmente no segundo semestre", diz Miltonleise Filho, vice-presidente da Cetelem BGN.

A preocupação com o futuro da economia apareceu em outro dado levantado pela pesquisa, sobre intenção de compra para 2012. Em comparação com o ano anterior, os brasileiros mostraram-se mais cautelosos para consumir itens como carros, computadores e eletrodomésticos.

O percentual de pessoas com intenção de comprar um automóvel este ano, por exemplo, caiu de 18% para 15% em 2011. Apenas 25% da população declarou ter pretensão de comprar algum serviço relacionado a lazer ou viagem, ante 32% na pesquisa anterior. "Devido a essa cautela, em 2012 podemos não ter o mesmo nível gasto visto no ano passado", diz Miltonleise Filho.
Ainda assim, o brasileiro ainda é o povo mais otimista, dentre os 13 países onde a pesquisa é realizada anualmente. A nota média dada pelos entrevistados à situação do país foi de 6,3 em 2011, a maior avaliação nos mercados pesquisados. Os alemães têm a segunda melhor avaliação sobre seu país: a nota média no país foi de 6,2.

A pesquisa ouviu 1.500 pessoas em 70 cidades brasileiras, em dezembro do ano passado. (fonte: idest.com.br)

ESTREIA-Wim Wenders inova com 3D no documentário "Pina"

Reuters Brasil


SÃO PAULO, 22 Mar (Reuters) - Lançado no Festival de Berlim de 2011, o documentário "Pina", do premiado diretor alemão Wim Wenders, mostrou na prática como o 3D pode ser um recurso excepcional também para filmes de arte.

No caso, foi a ferramenta ideal para dar uma textura original na tela às coreografias da alemã Pina Bausch (1940-2009), um dos maiores nomes da dança contemporânea. O filme foi indicado ao Oscar de documentário em 2012.

A ousadia de demarcar este novo território para o 3D, habitualmente pensado apenas para aventuras e filmes de ação, também enfrentou seus obstáculos e não foram propriamente técnicos. O maior deles foi a morte repentina da coreógrafa, de câncer, em junho de 2009, dois dias antes do início das filmagens.

A tragédia interrompeu momentaneamente o projeto, que fora idealizado justamente sobre a presença de Pina à frente de todo o processo. Originalmente, o filme acompanharia não só os ensaios e montagens de seus trabalhos, mas também uma excursão de sua companhia, a Tanztheater Wuppertal, ao exterior, incluindo o Brasil, e que acabou acontecendo em 2011, já sem sua mentora.

Por insistência dos parentes de Pina e dos próprios bailarinos da trupe que ela dirigiu por mais de 30 anos, na cidade de Wuppertal, o filme ressuscitou sob novo conceito.

Na versão que vingou na tela, reconstituem-se algumas de suas coreografias mais impactantes, não só no cenário habitual do teatro, mas em locações externas, na rua, num parque, numa piscina, num galpão envidraçado e, uma das mais originais, a bordo de um monotrilho.

Dispensando informações biográficas, "Pina" registra fragmentos de coreografias como "A Sagração da Primavera", sob música de Igor Stravinsky, num palco coberto de terra, onde interagem uma trupe toda masculina, outra toda feminina.

Também, "Café Mueller", com música de Henry Purcell, e conduzida por bailarinos de olhos fechados, num cenário abarrotado de cadeiras; "Kontakhof", justapondo sua execução por bailarinos de diversas idades; e "Vollmond", que se desenvolve em torno de uma queda d'água no palco, com bailarinos brincando alegremente molhados; e até um divertido solo em cima da canção "O Leãozinho", de Caetano Veloso.

Cineasta premiado com o troféu de melhor direção em Cannes 1987 por seu drama poético "Asas do Desejo", ultimamente Wenders vem refinando seu talento em documentários, caso dos musicais "Buena Vista Social Club" (99) e "A Alma de um Homem" (2003).

Mais uma vez, é o que faz aqui, ao encontrar cenários inusitados para as criações de Pina, que introduzia terra, água e outros elementos inesperados no ambiente normalmente asséptico do palco.

Mostra-se também um acerto não realizar entrevistas. Alguns bailarinos falam espontaneamente de seu relacionamento com Pina -inclusive a brasileira Regina Advento, na companhia desde 1993 (há outra brasileira no grupo, Ruth Amarante). Outros preferem simplesmente ficar em silêncio, olhando a câmera. Seus sentimentos estão na dança criada por Pina, que fala por si.

O filme circula em versões 3D e 2D.

Acabar com a fome depende de um melhor uso da água, diz ONU



O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, afirmou nesta quinta-feira, Dia Mundial da Água, que só com um bom aproveitamento da água será possível vencer a luta do combate à fome. Para alertar a população sobre essa previsão, Ban enviou uma declaração que foi lida no começo da cerimônia do Dia Mundial de Água 2012, realizada na sede da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), em Roma.

A água potável vai mesmo acabar; tire suas dúvidas

"Se não aumentarmos nossa capacidade de utilizar a água sabiamente na agricultura, não conseguiremos acabar com a fome e, por consequência, teremos que enfrentar uma série de problemas, incluindo a seca, a fome e a instabilidade política", advertiu Ban.

Ban Ki-moon também fez questão de assegurar que, para produzir alimentos suficientes para uma população em rápido crescimento, a comunidade internacional precisa garantir o uso sustentável "do recurso limitado mais importante" do mundo: a água.

O secretário-geral da ONU ainda advertiu que "a escassez da água está aumentando, enquanto a taxa de crescimento da produção agrícola se desacelerou", dois fatores que afetam diretamente "os camponeses nos países de baixa renda, os mais vulneráveis e menos capazes de se adaptar".

"Garantir a segurança alimentar e hídrica sustentável para todos requer a transferência das tecnologias adequadas, a promoção dos pequenos produtores alimentícios e a conservação dos ecossistemas essenciais", apontou Ban, que cobrou "políticas que promovam o direito à água para todos".

"A água terá um papel-chave na construção do futuro que queremos", concluiu Ban, que indicou que a comunidade internacional precisará reunir dados de segurança hídrica, alimentar e nutricional no contexto de uma economia verde na próxima Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio+20, que será realizada em junho, no Rio de Janeiro.

O diretor-geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, indicou que para um melhor aproveitamento da água é preciso intensificar a agricultura sustentável, usar a água de forma mais inteligente e também mudar a forma de como comemos, reduzindo o desperdício e promovendo dietas mais saudáveis.

"Para alcançar essas metas temos que investir em pessoas, infraestruturas, educação e conscientização, assim como encontrar incentivos para que os pequenos camponeses adotem boas práticas e fortaleça sua capacidade de produtividade", acrescentou Graziano da Silva.

Segundo a FAO, a cada ano cerca de 1,3 bilhão de toneladas de alimentos são desperdiçadas. Uma redução de 50% dessas perdas poderia resultar em uma economia de aproximadamente 1.350 km cúbicos de água a cada ano.

Greve geral e protestos contra ajuste em Portugal

AFP


LISBOA — Portugal vivia nesta quinta-feira uma greve geral e manifestações convocadas pelo principal sindicato, que esperava uma forte mobilização contra as medidas de austeridade do Governo, denunciadas como agravantes da recessão e do desemprego.

Em Lisboa, o metrô estava parado e a atividade nos principais portos do país perturbada à espera das manifestações convocadas na capital e em outras cidades para a tarde desta quinta-feira.

Palavras como "Manifestação", "Greve geral", "Basta!" eram lidas nos cartazes presos em Lisboa nos últimos dias por militantes da CGTP, a principal central sindical portuguesa, que convocou esta greve sozinha.

No entanto, os transportes aéreos não foram afetados pela greve, embora escolas, hospitais, tribunais, administrações, correios, bibliotecas, museus e coleta de lixo funcionassem parcialmente.

"O metrô está fechado pela greve. Perdoem o incômodo", dizia um cartaz preso em um portão de acesso ao metrô de Lisboa.

"Nosso balanço até agora é positivo. Há uma forte adesão no setor dos transportes públicos, nas empresas de coleta de lixo e uma forte participação no setor de saúde", disse Armenio Carlos, líder da CGTP, que conta com cerca de 600 mil afiliados.

No fim da manhã, a capital, onde os trens e ônibus proporcionavam serviços mínimos, parecia pouco perturbada, já que a maioria dos comércios, cafés, supermercados, bancos e farmácias abriu.

"A greve não serve para nada e prejudica o país", disse Pedro, um garçom de 30 anos que disse que o número de clientes não diminuiu.

A CGTP se lançou sozinha nesta batalha, sem o apoio da outra grande central sindical, a UGT, que a havia apoiado nas duas greves gerais anteriores, de novembro de 2010 e novembro de 2011.

Os dois sindicatos estão divididos quanto à reforma trabalhista promovida pelo governo, aceita pela UGT, mas que a CGTP rejeitou, ao classificá-la de "regresso ao feudalismo" e que prevê uma flexibilização da jornada de trabalho, facilitação das demissões, supressão de feriados e redução de dias de férias.

Depois de Grécia e Irlanda, Portugal é o terceiro país da Eurozona que precisou de assistência financeira para evitar a quebra. Em maio do ano passado, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) concederam um pacote de créditos de 78 bilhões de euros em troca de reformas draconianas para reduzir a dívida do Estado.

Muitos analistas duvidam que a CGTP possa vencer esta batalha. "Estatisticamente, a adesão às greves em tempo de crise é reduzida, já que as pessoas sabem que não servirão para nada", disse o cientista político Antonio Costa Pinto, que lembrou que os protestos não tiveram nunca em Portugal o mesmo seguimento que em outros países, em particular a Grécia.

As medidas de austeridade do governo provocaram uma desaceleração da economia portuguesa, que, segundo previsões oficiais, se contrairá mais de 3%, enquanto o desemprego subirá a 14,5%.

Estas previsões alimentaram os temores de que Portugal possa necessitar de um segundo pacote de ajuda, já que não está claro se o país poderá regressar ao mercado da dívida privado em setembro de 2013.