Siga o Blog, nas redes sociais

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Manuel António dos Santos Lopes


Nasceu a 23 de Dezembro de 1907 na ilha de S. Vicente. Estudou no colégio de S. Pedro e na Escola Comercial em Coimbra. Regressou a Cabo Verde e empregou-se como telegrafista, primeiro na Italcable e, com o fecho desta companhia devido à II Guerra Mundial, passou a tesoureiro da Câmara Municipal de S. Vicente, depois empregou-se de novo como telegrafista na Western Telegraph, primeiro na ilha de S. Vicente, depois (1944) na cidade da Horta, ilha do Faial nos Açores, e por último em 1956, foi transferido para os escritórios de Carcavelos, Cascais, Portugal, onde se reformou e passou a viver. Possuí condecorações portuguesas e cabo-verdianas.


Poeta, contista, romancista e ensaísta, tem participado ao longo dos anos em várias conferências e congressos na Europa, na África e no continente americano (como os "Colóquios Cabo-Verdianos", Lisboa, 1959, o "VI Congresso Internacional de Estudos Luso-Brasileiros", Boston e Nova Iorque, EUA, 1966, o "Claridade", Mindelo, ilha de S. Vicente, 1986 ou o "I Congresso dos Quadros Cabo-Verdianos da Diáspora", Lisboa, 1994). Foi por duas vezes laureado com o Prémio Fernão Mendes Pinto para a ficção e ainda com o do Meio Milénio do Achamento das Ilhas de Cabo Verde também para a ficção. Foi - juntamente com Jorge Barbosa e Baltasar Lopes - fundador e colaborador da revista Claridade da qual foi o primeiro director. Para além da poesia escreveu também contos e artigos de crítica social e política. Colaborou em vários jornais de Cabo Verde, dos Açores e também de Portugal continental. Cabo-Verdianos: Notícias de Cabo Verde, O Eco de Cabo Verde, Resurgimento, Cabo Verde - Boletim de Propaganda e Informação, O Arquipélago; nos portugueses Novo Almanaque de Lembranças Luso-Brasileiro onde se estreou escrevendo sonetos, Atlântico, O Mundo Português, Boletim do Núcleo Cultural da Horta, Actividades, Estudos Ultramarinos, etc. Figura em várias antologias literárias como Poesia de Cabo Verde, Lisboa, 1944; Antologia da Ficção Cabo-Verdiana Contemporânea, Praia, ilha de Santiago, 1960; Modernos Poetas Caboverdianos - Antologia, Praia ilha de Santiago, 1961; Poetas e Contistas Africanos, São Paulo, Brasil, 1963; Antologia da Terra Portuguesa - Cabo Verde, Guiné, São Tomé e Príncipe, Macau e Timor, Lisboa, s/d, (1963?).; Literatura Africana de Expressão Portuguesa, (vol.1, poesia) Argel, Argélia, 1967; Literatura Africana de Expressão Portuguesa, (vol.2, poesia) Argel, Argélia, 1968; La Poésie Africaine de Expression Portugaise, Paris, 1969; Contos Portugueses do Ultramar, Porto, 1969; Literatura Ultrumarina, Lisboa, 1972; No Reino de Caliban - Antologia Panorâmica da Poesia Africana de Expressão Portuguesa, Lisboa, 1975; Resistênca Africana - Antologia Poética, Lisboa, 1975; Antologia Temática da Poesia Africana 1 - Na Noite Grávida de Punhais, Lisboa, 1976; Contravento - Antologia Bilingue de Poesia Caboverdiana, Taunton, Massachusetts, EUA, 1982; Sonha Mamana África, São Paulo, Brasil, 1988; Cinquenta Poetas Africanos, Lisboa, 1989; No Ritmo dos Tantãs, Brasília, Brasil, 1991; etc.



Publicou: Paúl - Descrição de um Vale, Mindelo, ilha de S. Vicente, 1932, impressa na Sociedade de Tipografia e Publicidade, Lda. 29 p. (crónica de viagem); Evocação Faialense (folheto), Horta, Açores, 1948; Poemas de Quem Ficou, Angra do Heroísmo, Açores, 1949, 82 p.; Temas Cabo-verdianos, Lisboa, 1950 (e); Os Meios Pequenos e a Cultura, Horta, Açores, 1951, 56 p. (e); Chuva Braba, Lisboa, 1956, Instituto de Cultura e Fomento de Cabo Verde, 310 p. (r); O Galo que Cantou na Baía, Lisboa, 1959, edição Orion, 224 p. (c); Os Flagelados do Vento Leste, Lisboa, 1959, edição Ulisséia, 268 p. (r); Crioulo e Outros Poemas, Lisboa, 1964, edição do autor, 93 p. (p).

Os seus romances encontram-se traduzidos para o russo e francês e de Os Flagelados do Vento Leste foi realizado um filme com o mesmo título pelo realizador português António Faria. A sua vida e obra têm sido objectos de estudos e ensaios de que realçamos: Manuel Lopes. Um Itinerário Iniciático, Praia, ilha de Santiago, 1995, Instituto Cabo-verdiano do Livro, por Marie-Christine Hanras; Simbologia Telúrico-Marítima na Obra de Manuel Lopes, Évora, Portugal, 1996, Pendor Editorial, por José-Augusto França.

João Nobre de Oliveira
"A Imprensa Cabo-verdiana 1820-1975" edicão Fundação Macau, Setembro de 1998