Siga o Blog, nas redes sociais

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Antonio Preciado (Esmeraldas, 1941)


Que eu tenho aqui, por um grito,
garganta pó 13!
um osso de cada morte,
o comprimento de seu pé,
e aqui eu ressuscitado
a vida que você precisava.
("Matabara homem bom")

Poeta e professor universitário. Em 1965 ganhou o Prêmio Nacional de Poesia VII "Ismael Perez Pazmino" do jornal El Universo de Guayaquil. Hernan Rodriguez crítico Castelo, escreve: "Há muito tempo atrás Preciado é a grande voz de negritude no Equador.Com uma linguagem dura e macia, substantivo, original e imaginativo jogar vigorosa, rítmica e musical. E com uma poética negra enraizada em onde você vem sabedoria antiga e mágicos ressonâncias, mas aberto, generosamente aberto ao contemporâneo.