Siga o Blog, nas redes sociais

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Ode a Bailarina


Fecho os olhos e escuto a voz de uma doce flauta doce.
Ébrio, inebriado por perfumes de flores amarelas
Percebo que tem uma bailarina bailando ao meu redor
Está vestida de assas de borboletas
Traz um chapéu bordado
Um cachecol com cores que não imaginava existirem
Um nariz vermelho de palhaço
Um sorriso encantador, que encanta a minha dor
Seus pés não tocam ao chão
És livre, linda, liberta
O som de sua risada me envolve, esquenta, me devolve
Abro os olhos e me vejo dançando no meio do metrô
Todos do vagão me olham com indignação, reprovação
Cheguei em minha estação, tenho que voltar ao trabalho
... ainda ouço a flauta e sua risada doce.

Chris Borges