Siga o Blog, nas redes sociais

terça-feira, 13 de novembro de 2012

SÓ MAIS UM ADEUS

Apesar de eu não querer que seja dessa forma,
O meu coração a mim não pertence
Quero me desvincular do que me atormenta
Mas não quero deixar de te procurar.
Perdi a noção de como eu poderia desatar esse nó

Liberta-me desse pesadelo
Não quero uma morte lenta,
Não quero morrer aos prantos, sufocado de esperanças
Não quero que falte “você” nos meus pulmões.
Mediante a tudo que vivo,
Tenho a ti como meu elixir,
Minha essência vital está em suas mãos
E não quero mais me repudiar
Não quero mais repudiar a felicidade.

A morte chegará a todos nós
Nosso sangue parará de correr
E mediunicamente nos encontraremos novamente,
Mas, egocentricamente, talvez
Penso que há força para continuar
Serei como uma Fênix,
Retomarei do instante que me encerra,
Entretanto, preciso só de uma coisa: o fim.

Nada será como antes,
Nada será como foi um dia,
Nada será nada,
Jamais será esquecido,
Mas dói ser lembrado.
Preciso, de alguma forma, exceder os meus esforços
Preciso, de alguma forma, achar uma solução
Zelo pela tua felicidade,
Zelo pelo teu bem,
Mas, preciso me despedir com hombridade
O choro será incontido,
Não negarei meus sentimentos, não esconderei minhas lágrimas,
Não terei vergonha de dizer que chorei por amor
Não temerei em dizer adeus,
E o faço nesse momento.

Ricardo Pantoja - eu mesmo