Siga o Blog, nas redes sociais

sábado, 3 de novembro de 2012

LOUCURA

A rosa criou sua fantasia, da fantasia que não mais queria.
Lançando pétalas pela janela.
Que louca, ficou toda diferente!
Quem sente, enxergava numa libélula,
O talo, o rabo, sem roupa, a rosa.
Correu foi pro carnaval.
Quem a viu sem fantasia,
Dizia, mas que maluca!
A nuca da rosa, está toda nua!
E quem a viu no festival, gritava, apontado pra ela
Não vês que isto é uma loucura...
Não cura, estás mal, estás mal.
A rosa por saber que não queria, por ninguém ser mais beijada,
Doada , para consolar amantes.
Trancou-se no quarto e pela janela,
Gritou pra todos os que passavam:
Não quero os gestos que são mentiras
Não dou-me por mãos, dou-me por alegrias.
E sem dar ouvidos, lançava fora, o resto de fantasia.
Que continuava arrancando, chorando, cantando
Sua intenção: mal me quer, ou bem me quer