Siga o Blog, nas redes sociais

sábado, 25 de agosto de 2012

Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra, Portugal

Em meados do século XV, essa Biblioteca que tinha sua sede em Lisboa, foi transferida para Coimbra, passou a ser conhecida como "Casa do Livro" e com status de Biblioteca Pública.

Porém, apesar dos seus estatutos estabelecerem essa Biblioteca como Pública, com a Reforma Católica do Concílio de Trento, ela perdeu esse status (apesar de legalmente ser considerada pública..mas enfim..)

Somente no final do século XVII que a existência da Biblioteca de Coimbra seria formalizada, porém sua sede merecia uma reforma, já que se encontrava em um local com mais de 700 anos, e para isso seu acervo foi transferido para outra ala enquanto aguardava finalização da obra, que só aconteceu muitos anos depois, quando o reitor procurou o Rei D.João V, e argumentou de forma veemente que os Estatutos da Universidade nao estavam sendo respeitados, e que a Biblioteca não possuía um lugar condizente com seu rico acervo.

O Rei aceitou os argumentos, e nesse ano se iniciou a construção de uma das mais importantes Bibliotecas do Mundo, em Coimbra, Portugal.

Em seu riquíssimo acervo encontram-se :
-"A Bíblia Latina de 48 linhas”, editada em 1462;
-" O Livro das Horas”, manuscrito com iluminuras, de meados do século XV;
- “Mensagem”, único livro de Fernando Pessoa a ser editado em vida do poeta, em 1934 (o exemplar é conservado na brochura original e tem dedicatória manuscrita do Autor);
- “Paesi novamente retrovatti”, organizado por Francesco de Montalboddo, impresso em 1507, compila relatos de viagens de descoberta (ou redescoberta) empreendidas por portugueses, espanhóis e italianos.
Trata-se da primeira vez que se editou em italiano a terceira viagem de Américo Vespúcio. Inclui um dos primeiros relatos publicados sobre a viagem de Pedro Álvares Cabral ao Brasil. Despertou grande interesse e com a presteza possível naquele tempo, foi editado também em latim e em alemão.

Aqui cabe um parênteses, o embaixador da Prússia em Portugal, Conde Athanasius Raczinsky , considerado um homem extremamente culto, e famoso colecionador de objetos raros (ele foi um dos mais conceituados críticos de arte do século XIX) ao se referir a Biblioteca Joanina e seu acervo, fez a seguinte colocação : "la bibliothèque la plus richement ornée que j'aie jamais visitée".

Tem razão o Conde, trata-se de uma jóia magnífica da qual a Universidade de Coimbra tem todos os motivos para se orgulhar.