Siga o Blog, nas redes sociais

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Poeta, o Lápis e o Papel


Poeta estava ali parado,
Poeta estava ali observando,
Poeta estava ali pensativo,
Poeta estava ali pensando.

Quando então viu o lápis,
Quando então viu a lapiseira,
Quando então viu a caneta.

Nisso ao lado dos três encontrava-se,
Um caderno velho com folhas em branco,
Parecendo um arquiteto começou a escrever,
Foi colocando palavra por palavra dando uma nova forma.

Para assim em cada palavra,
Uma nova forma vai surgindo,
Cada palavra carregando um sentido diferente.

Assim com a mistura de sentidos o poema vai surgindo,
Com ajuda do lápis,
O papel vai sendo escrito,
Um novo poema vai nascendo,
E o Poeta cumprindo seu papel ....

O Poeta da Madrugada