Siga o Blog, nas redes sociais

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Ayrton Senna salvando a vida de Erik Comas, em 1992.


Nos treinos para o GP da Bélgica de 1992, a Ligier de Comas vinha em volta rápida quando perdeu o controle subitamente na curva Blanchimont e bateu com força. Ao ver o piloto desmaiado, o brasileiro Ayrton Senna, da McLaren, que também vinha em sua volta rápida, parou o seu carro, desceu do cockpit, correu em direção ao Ligier e encontrou Comas desmaiado. O tricampeão mundial segurou a cabeça de Érik até a chegada da equipe médica. Tempos depois o próprio Erick em entrevista disse que Ayrton Senna havia lhe salvado a vida, já que no momento em que ele o socorria, Ayrton Senna desligou o seu carro, o qual estava vazando combustível do motor, o que iria causar uma explosão.

“Sem a ajuda de Senna, eu teria morrido porque minha Ligier explodiria. Ayrton parou para me ajudar, quando meu próprio companheiro de equipe já havia passado reto. Ele tinha um coração sensacional”, afirma Comas, que raramente fala sobre o assunto.

Dois anos depois, os papeis se inverteram, desta vez no fatídico GP de San Marino. Ayrton Senna, agora na Williams, bateu o carro na curva Tamburello e não conseguiu sair do carro. Érik, que competia pela Larrousse, não percebeu que o helicóptero que resgataria Senna estava na pista. Para evitar uma tragédia maior, o francês freou bruscamente, e ao ver o brasileiro sendo socorrido pelos médicos, Comas, que estava bastante assustado, decidiu abandonar a prova

Apesar de não ter falado muitas vezes sobre o acidente que matou o amigo, Comas lembra-se com detalhes do dia 1º de maio de 1994. Ele fui o único piloto que não participou da relargada do GP de San Marino, após a colisão de Senna na Tamburello. Quando soube do que havia acontecido, foi com sua Larrousse até o local do acidente e desceu do carro.

“Fui o último piloto a ver Ayrton na pista, enquanto ele recebia assistência médica ao lado do carro. Depois entrei na ambulância e fiquei ao lado do capacete dele. Ali senti que ele tinha morrido. Fiquei arrasado porque não pude fazer por ele o que ele fez por mim”, rememora Comas.

Após aquela prova, Comas prometeu que jamais voltaria a disputar uma corrida de Fórmula 1. Mudou de ideia e, duas semanas depois, estava no grid para a prova de Mônaco. No fim daquele ano, contudo, a tristeza o levou a desistir. “No GP do Japão, eu vi que não conseguiria esquecer que estava em um esporte assassino, e que meu amigo tinha morrido no dia 1º de maio”.


Vídeo do acidente de Comas: https://www.youtube.com/watch?v=3Qqlqpyiys0
Texto de Diego Vieira
Administração Imagens Históricas