Siga o Blog, nas redes sociais

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Hoje na História: 1945 - Força Expedicionária Brasileira conquista Monte Castello, na Itália

Em 21 de fevereiro de 1945, a FEB (Força Expedicionária Brasileira), força militar brasileira de mais de 25 mil homens que lutou ao lado dos Aliados na Itália durante a Segunda Guerra Mundial, conquista a luta de Monte Castello, só alcançada depois de quatro tentativas rechaçadas pelos alemães. Por isso a operação foi chamada de Encore (de novo, em francês). Acompanhados da 10ª Divisão de Montanha norte-americana, a totalidade das tropas foi empregada e vencedora. Às 17h50, a voz do coronel Emílio Rodrigues Franklin chegava pelo rádio: "Estou no cume do Castelo".

A atuação da FEB se deu entre 16 de setembro de 1944, quando um batalhão do 6º Regimento de Infantaria inicia a marcha na frente do rio Serchio e conquista Camaiore, até 2 de maio de 1945, dia em que a ordem de cessar fogo veio do Exército norte-americano, ao qual estava incorporada, e deteve a marcha do 3º Batalhão do 11º Regimento de Infantaria, no vale do Pó, perto de Novara.


Na segunda frente de guerra, no rio Reno ao norte de Pistóia, por mais de dois meses os combatentes brasileiros atravessariam a fase mais cruel do inverno dos Montes Apeninos, com temperaturas de -15ºC e sob a constante hostilidade do fogo inimigo. Durante a maior parte do inverno, os alemães dominaram as posições da FEB no cume do Monte Castelo e outros picos, obrigando a tropa brasileira a encobrir seus movimentos no vale do Reno sob a proteção do nevoeiro artificial produzido pela queima de óleo diesel.

Maiores conquistas

Tendo como ponto de partida o Quartel-General avançado de Porreta-Terme, as forças avançariam para suas maiores conquistas: a vitória de Monte Castelo, a 21 de fevereiro de 1945; a de Montese, a 14 de abril de 1945; e a detenção de toda a 148ª Divisão Alemã, remanescentes de uma Divisão de Infantaria italiana, e forças blindadas do antigo "Afrika Korps". Isso aconteceu em 28 de abril de 1945, no mesmo dia em que, não muito longe, na região do lago de Como, Benedito Mussolini caia nas mãos dos "partigiani", membros da resistência italiana.

A FEB perdeu 443 homens, entre soldados e oficiais, 8 aviadores do 1º Grupo de Caça da FAB, abatidos em combate no Norte da Itália e no Sul da Áustria e mandou para os hospitais da retaguarda perto de 3.000 feridos. Por outro lado, fez 20.573 prisioneiros, inclusive dois generais: o general Otto Fretter Pico, comandante da 148ª Divisão de Infantaria alemã, e o general Mário Carloni, comandante do que restava da desbaratada Divisão de Bersaglieri Itália.

Com o lema "A cobra está fumando", em alusão ao ditado popular que era "mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra", a campanha durou, no total, sete meses e 19 dias.